Depois do DAESH, Raqqa tornou-se uma cidade de gangues e roubo

Moradores e especialistas temem que a cidade esteja rapidamente se tornando um terreno fértil para os sindicatos do crime violento, com os militantes da SDF fracassando em melhorar a situação de segurança enquanto se entregam à corrupção em intervalos fre

Depois do DAESH, Raqqa tornou-se uma cidade de gangues e roubo

Em 20 de outubro de 2017, os EUA anunciaram que sua operação militar junto com os militantes locais na cidade síria de Raqqa havia terminado, reivindicando a vitória sobre o Daesh.

Os quatro meses de intensa guerra urbana custaram a vida de 1.600 civis, de acordo com uma investigação da Anistia Internacional.

Um ano e meio depois, a cidade de Raqqa está enfrentando agora um vácuo de segurança similar ao que o Iraque enfrentou depois que os EUA retiraram suas forças em 2010, permitindo que um grupo terrorista radical como o Daesh emergisse e assumisse a maior parte do país bem como se espalhou para a Síria.

A cidade está repleta de armadilhas, minas terrestres e projéteis não detonados, representando perigos graves para seus habitantes. Gangues brutais operando em recantos estão representando outro desafio, enquanto as células adormecidas do Daesh continuam a operar e a assassinar pessoas por capricho.

"Não saímos normalmente depois das 20h à noite", disse uma residente de Raqqa que desejava que seu nome fosse retido por razões de segurança.



Notícias relacionadas