Conflito entre a polícia e manifestantes perto da Casa Presidencial de Honduras

Vários dos manifestantes, com os rostos cobertos, haviam queimado pneus anteriormente e bloqueavam a passagem de veículos nas pistas de retorno do Boulevard das Forças Armadas.

Conflito entre a polícia e manifestantes perto da Casa Presidencial de Honduras

A Polícia de Honduras dispersou hoje com gás lacrimogêneo uma manifestação de centenas de pessoas em Tegucigalpa quando eles se aproximaram do palácio presidencial, em protesto contra o presidente Juan Orlando Hernández. 

Quando os manifestantes estavam perto da sede do Executivo, um tanque da Polícia Nacional atirou canhões de água para dispersá-los e imediatamente houve um confronto com as forças da ordem. 

Alguns dos participantes da marcha atiraram pedras e pedaços de madeira na polícia, que respondeu com bombas de gás lacrimogêneo. 

Vários dos manifestantes, com os rostos cobertos, queimaram pneus anteriormente e bloquearam os veículos nas pistas de retorno do Boulevard das Forças Armadas. 

A quantidade de gás liberada pela polícia acabou dispersando os manifestantes, muitos dos quais se refugiaram em um shopping center próximo, onde várias lojas fecharam.

Entre os manifestantes estavam mulheres e crianças afetadas pelo gás que foram ajudadas no shopping center, o que foi verificado por Acan-Efe. 

Entre os motoristas de veículos que ficaram presos no local, houve pânico por causa da grande quantidade de pedras e bombas de gás lacrimogêneo que foram lançadas. 

Após uma hora de confronto, a avenida foi liberada e a circulação de veículos começou a se normalizar.

Essa demonstração foi a parte final da "Grande Marcha da Dignidade", que começou na terça-feira a partir de La Barca, no departamento do norte de Cortés, cerca de 200 quilômetros ao sul de Tegucigalpa. 

Essa marcha, que chegou à capital hoje, foi promovida pela Convergência Contra a Impunidade para protestar contra Hernandez e suporte para milhares de imigrantes hondurenhos das últimas 13 de caravanas viajaram para o Estados Unidos. ACAN-EFE



Notícias relacionadas