A cisterna de Istambul, lugar de colunas majestosas e estátuas misteriosas

Duas cabeças de Medusa, exemplos notáveis de escultura romana, são encontradas como base de duas colunas no canto norte da cisterna

yerebatan sarnici (6).jpg
yerebatan sarnici (5).jpg
yerebatan sarnıcı.jpg
yerebatan sarnici (1).jpg
yerebatan sarnici (2).jpg

AA - A Cisterna de Istambul, um dos locais históricos mais visitados por habitantes locais e estrangeiros da cidade turca, impressiona aqueles que a percorrem as suas 336 colunas de 9 metros de altura e suas duas cabeças de Medusa.

O lugar magnífico, localizado na histórica península da Hagia Sophia e da Mesquita Azul, às vezes é palco de filmes de grande sucesso de Hollywood e às vezes adorna as fotografias de centenas de pessoas que visitam todos os dias.

O imperador bizantino Justiniano I construiu a cisterna em 542, cujo nome entre as pessoas era "Palácio Yerebatan" devido às suas aparentemente inúmeras colunas de mármore que se erguem da água.

A cisterna, administrada pela Prefeitura de Istambul, tem uma área total de 9800 m2 e uma capacidade de 100.000 toneladas de armazenamento de água.

Durante o período bizantino, a cisterna atendeu às necessidades de água do grande palácio, onde residiam os imperadores, e os outros habitantes da região. 

Foi utilizada algum tempo após a conquista de Istambul em 1453 e, graças a isso, foi possível fornecer água aos jardins do Palácio Topkapi, onde residiam os sultões.

O capitel de cada coluna possui características diferentes e, com exceção de algum canto ou estrias, a maioria das colunas é de forma cilíndrica. 

Além disso, consistem em uma ou duas partes.A cisterna possui paredes de tijolos refratários de 4,8 metros de espessura cobertos com argamassa Horasan e com o solo, o que a torna completamente impermeável.

Como os otomanos preferiam água corrente a água parada, eles não usaram a cisterna depois de estabelecer sua própria instalação de água. 

Foi o holandês Petrus Gyllius que reviveu o assunto quando visitou Istambul na década de 1540 para explorar as ruínas bizantinas.

Em uma de suas investigações, enquanto caminhava pela então mesquita de Hagia Sophia, Gyllius notou que as pessoas puxavam água com baldes de grandes buracos redondos como poços que ficavam no térreo das casas e até pescavam peixes. 

Posteriormente, ele entrou na cisterna no porão através do pátio de um edifício de madeira cercado por paredes. 

O viajante publicou o que viu em seu livro de viagens.A cisterna foi reparada duas vezes durante o Império Otomano e aberta ao público em 1987, depois que a prefeitura de Istambul a limpou e construiu uma plataforma para andar dentro dela.



Notícias relacionadas