Macri promete um milhão de casas, para os próximos quatro anos na Argentina

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, lançou um plano nacional de habitação, que emprega cerca de 70 mil pessoas de organizações sociais.

Macri promete um milhão de casas, para os próximos quatro anos na Argentina

O presidente argentino Mauricio Macri disse que seu governo irá construir um milhão de casas nos próximos quatro anos, dentro de um projeto de desenvolvimento para resolver a "crise de habitação", que em sua opinião, afetou o país por 15 anos.

Macri anunciou o lançamento desta iniciativa durante a abertura de um plano de habitação social no município de Almirante Brown, na província de Buenos Aires, onde o governo vai financiar a construção de 700 casas para os habitantes da região.

"Na Argentina faltam pouco mais de um milhão de casas e reparo de mais de duas milhões", lembrou o presidente, que chamou estes números de "terríveis" e reiterou que a situação habitacional piorou nos últimos quinze anos.

Para o presidente, este plano é "mais um passo" para alcançar "a pobreza zero" no país, um dos principais compromissos anunciados durante a campanha eleitoral e que, na sua opinião, começa com cada argentino com emprego e habitação.

Além disso, Macri aproveitou a oportunidade para enviar uma mensagem contra o desvio de fundos públicos: "As obras (públicas) não tem que ser sinônimo de corrupção, mas de uma solução", acrescentou, enquanto se comprometeu em garantir "transparência" nos gastos governamentais.

O líder se pronunciou após várias semanas marcadas por avanços da justiça da Argentina relacionados em várias causas que investigam crimes como enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro supostamente relacionado ao excesso de custos em concursos para a construção da infra-estrutura do Estado.

O maior impacto sobre a opinião pública é a investigação contra o empresário Lázaro Baez -próximo ao falecido ex-presidente Nestor Kirchner e principal contratante de obras públicas no sul da província de Santa Cruz - que permanece em preso enquanto suas extensas propriedades são registradas pela acusação quanto a evidência de lote de lavagem de dinheiro.

Acompanhado pela governadora de Buenos Aires, María Eugenia Vidal; o Ministro do Interior Rogelio Frigerio; Ministra do Desenvolvimento, Carolina Stanley, e vários líderes locais, o presidente agradeceu as cooperativas habitacionais pela colaboração no projeto.

Fonte: EFE



Notícias relacionadas