Líbia: Naufrágio de bote faz mais de 100 mortos

De acordo com os Médicos sem Fronteiras, mais de 100 pessoas desapareceram no Mediterrâneo, nas águas territoriais da Líbia.

Líbia: Naufrágio de bote faz mais de 100 mortos

Mais de cem pessoas desapareceram nas águas do Mediterrâneo, em consequência de um naufrágio dum bote na costa da Líbia. A informação foi dada na terça-feira à agência espanhola de notícias Efe, por uma fonte da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF).

De acordo com esta organização, os 276 migrantes que conseguiram sobreviver ao desastre foram capturados pela Guarda Costeira líbia, e levados para um centro de detenção onde permanecem desde então, detidos em más condições.

Entre os migrantes detidos há várias mulheres grávidas e um grande número de menores de idade.

O incidente ocorreu no dia 1 de setembro, na costa ao largo da cidade de Khoms, um dos principais núcleos das máfias do tráfico de pessoas nos arredores de Trípoli. O acidente ocorreu quando um dos botes insufláveis sobrelotado perdeu ar e começou a afundar.

A costa que que se estende entre Trípoli e a fronteira com a Tunísia, transformou-se nos últimos dois anos no principal centro das máfias de tráfico de migrantes, apesar da presença de patrulhas europeias.

Segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), que faz parte da ONU, pelo menos 171 635 imigrantes ilegais conseguiram chegar à Europa em 2 017, enquanto que 3 116 desapareceram no mar.

Desde o início de 2 018, cerca de 21 mil migrantes conseguiram atravessar a chamada rota central do Mediterrâneo, que parte da Líbia e da Tunísia rumo a Itália e Malta. Mais de 1 100 pessoas morreram na travessia.

Nos últimos meses, os navios de resgate das ONGs internacionais foram obrigados deixar de atuar nesta rota migratória, depois de assediados pelos serviços da Guarda Costeira da Líbia, na sequência da pressão da União Europeia e do governo italiano.



Notícias relacionadas