OPS: número de casos em diferentes países da América Latina dobra a cada quatro dias

A Organização Pan-Americana da Saúde destacou a alta transmissão do vírus nos EUA, Canadá, Brasil, Equador, Peru, Chile e México.

1413014
OPS: número de casos em diferentes países da América Latina dobra a cada quatro dias

AA - A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) indicou que em alguns países da América Latina os casos dobram em quatro dias ou menos, demonstrando a importância de implementar uma série de medidas de saúde pública, como realizar um grande número de testes e manter o distanciamento social.

Entre os países destacados pela OPS estão os Estados Unidos, Canadá, Brasil, Equador, Peru, Chile e México.

Um dos casos mais difíceis destacados pela OPS no hemisfério são os Estados Unidos, especificamente Nova York. Carissa Etienne, Diretora Geral da OPS, indicou que um aspecto positivo é a redução do número de hospitalizações na cidade americana, mas especificou que o número de mortes de idosos nessa cidade e em outras áreas era extremamente alto.

Etienne indicou que até 4 de maio o número de pessoas afetadas na região pelo coronavírus era de 1,4 milhões e o número de mortos é de cerca de 80.000.

A especialista observou que a Organização Panamericana da Saúde trabalha em estreita colaboração com todos os países da região para identificar tendências de contato específicas e explicou que em seus países "existe um mosaico de diversos cenários epidemiológicos".

Na América Central, a especialista apontou que os efeitos das medidas de controle aplicadas pelos governos estão começando a ser notados. No entanto, ela afirmou que "é essencial que a análise seja aumentada em alguns dos países da sub-região para garantir uma imagem mais clara da situação".

Em relação à América do Sul, destacou que sete em cada 10 países estão passando por transmissão comunitária e que existem importantes variações nas taxas de transmissão e seu impacto devido às medidas de controle implementadas desde o início.

“Alguns países da região estão enfrentando surtos em grandes cidades, como Guayaquil (no Equador) e Manaus e São Paulo (no Brasil), e há uma preocupação crescente com o aumento de casos notificados nas cidades. menor, onde a capacidade hospitalar é limitada ", afirmou o pesquisador.

Embora Etienne tenha enfatizado que cada país enfrenta especificidades diferentes, ela pediu cautela ao iniciar o desescalonamento ou relaxamento das medidas de quarentena e basear as decisões políticas nos dados. A especialista também pediu aos governos que pensem localmente e ajustem seu foco ao que está acontecendo em cada distrito.



Notícias relacionadas