Empresa colombiana e UNICEF constroem escolas na África com plástico reciclado

A empresa Conceptos Plásticos conseguiu transformar resíduos de plástico em tijolos que resistem a terremotos, calor e inundações

1290817
Empresa colombiana e UNICEF constroem escolas na África com plástico reciclado

AA - O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a empresa colombiana Conceptos Plásticos se uniram para transformar resíduos plásticos em tijolos que resistem a terremotos, calor e inundações e construir salas de aula na Costa do Marfim, na África Ocidental.

O empreendimento foi criado pelos colombianos Óscar Méndez e sua parceira Isabel Cristina Gámez. 

A empresa usa resíduos de plástico para criar tijolos que são montados como peças de Lego e podem ser usados para construir casas e outros edifícios. 

A ideia ganhou competições e reconhecimento internacional.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância juntou-se aos colombianos para levá-lo à Costa do Marfim, um país que precisa de cerca de 15.000 salas de aula.

“Mais do que um simples bloco de plástico é um projeto de desenvolvimento. É um projeto de impactos sociais, ambientais e realmente de desenvolvimento em muitos aspectos ”, explica Oscar Méndez, que visitou as Nações Unidas durante a Assembleia Geral para ensinar o trabalho que a empresa realiza com o UNICEF.

O projeto gera trabalho para dezenas de mulheres e, ao mesmo tempo, promove melhor educação para seus filhos. 

“Trabalhamos desde o início, capacitando comunidades de recicladores na Colômbia e na África. Podemos usar plásticos que nem todos reciclam ou que são difíceis de descartar. 

A ideia é que essas pessoas possam coletá-los. Obviamente, isso tem um valor, por isso os compramos e, às vezes, fortalecemos sua logística ”, disse Méndez em entrevista à Notícias ONU.

O plástico derrete completamente e é depositado em moldes para dar-lhes a forma necessária para criar os blocos. 

Os tijolos são fáceis de montar, duráveis e baratos. "Estamos à procura de projetos que também vão para comunidades com recursos limitados, sejam questões de moradia ou de sala de aula, como estamos fazendo com o UNICEF", acrescentou Méndez.



Notícias relacionadas