A Turquia condena veementemente operação policial israelense na mesquita de Al-Aqsa

Altos funcionários turcos condenaram a intervenção da polícia israelense que deixou pelo menos 178 feridos.

1636412
A Turquia condena veementemente operação policial israelense na mesquita de Al-Aqsa

Altos funcionários turcos condenaram a intervenção da polícia israelense na noite de sexta-feira na mesquita de Al-Aqsa na ocupada Jerusalém Oriental.

“Como em todo Ramadã, os dias de maior violência e crueldade em Israel são testemunhados. O ataque à comunidade que faz orações na mesquita de Al-Aqsa esta noite é um claro terrorismo de Estado. Quem semeia violência e crueldade não pode colher paz e tranquilidade. Amaldiçoo o terrorismo na mesquita de Al-Aqsa”, escreveu no Twitter o presidente da Grande Assembleia Nacional da Turquia, Mustafa Şentop.

Por sua vez, o vice-presidente Fuat Oktay disse que vê Israel, que está aproveitando as oportunidades oferecidas pela desorganização do mundo islâmico, como um Estado causador do terrorismo.

Sobre o ataque israelense à mesquita de Al-Aqsa, Oktay disse:

"Cobrir todos os tipos de imprudência, crueldade, todos os tipos de imoralidade e todos os tipos de crimes leva a uma nova imprudência."

O Itamaraty, em nota, condenou veementemente os ataques das forças de segurança israelenses contra os palestinos.

“Exortamos o Governo de Israel a pôr fim a esta atitude provocadora e agressiva o mais rápido possível e a agir com bom senso. A Turquia continua apoiando o povo palestino”, acrescentou.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores, Mevlüt Çavuşoğlu, também condenou o ataque israelense.

“Condeno veementemente o ataque desta noite à Mesquita de Al Aqsa, nossa primeira Qibla (direção onde as pessoas oram). É desumano para Israel atacar inocentes que oram durante o sagrado Ramadã ", escreveu ele no Twitter.

“Sempre apoiaremos a justa causa do povo de #Palestina”, acrescentou Cavusoglu, desejando uma rápida recuperação para os feridos no ataque israelense.

E o porta-voz presidencial, Ibrahim Kalın, disse : “Condenamos veementemente o ataque da Polícia israelense contra a Mesquita de Al Aqsa com granadas de choque. As forças de ocupação israelenses, que não respeitam nenhum valor religioso durante o mês sagrado do Ramadã, devem deixar a Mesquita de Al Aqsa imediatamente", pedindo a Tel Aviv que pare com esses ataques.

O Diretor de Comunicações, Fahrettin Altun, também denunciou o ataque israelense à mesquita.

Altun informou em suas redes sociais que a Turquia segue "com preocupação" a política israelense de ocupação e violência contra os palestinos. É inaceitável que Israel ataque nossos valores religiosos. Hoje condenamos veementemente o ataque à Mesquita de Al Aqsa, nosso primeiro Qibla, com granadas de atordoamento."



Notícias relacionadas