"A Grécia deve renunciar às suas políticas maximalistas"

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, avaliou os principais temas da agenda durante um programa num canal privado de televisão.

1492541
"A Grécia deve renunciar às suas políticas maximalistas"

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, disse que a Grécia passou recentemente mensagens positivas sobre o Mediterrâneo Oriental, mas não desistiu das suas políticas maximalistas.

Çavuşoğlu avaliou os principais temas da agenda durante um programa num canal privado de televisão.

Relativamente aos últimos desenvolvimentos no Mediterrâneo Oriental, Çavuşoğlu afirmou que a Grécia não abandonou as suas abordagens maximalistas mas deve fazê-lo, acrescentando que a Turquia está pronta para negociações sem pré-condições.

Sobre as declarações do Primeiro-Ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, sobre o Mediterrâneo Oriental, Çavusoglu disse o seguinte:

“As mensagens do primeiro-ministro grego nos últimos 2-3 dias são mais moderadas. Mais mensagens moderadas começaram a chegar recentemente. A Grécia, aproveitando o facto de o navio Oruç Reis ter regressado ao porto de Antalya para abastecimento e manutenção, começa a dar uma mensagem mais positiva, mas por outro lado diz que “queremos mais disto”, e mantém a sua atitude maximalista.

O chefe da diplomacia turca acrescentou que a Grécia pode aproveitar este processo como uma oportunidade.

Por outro lado, e salientando os direitos da Turquia na zona onde o navio Oruç Reis realiza investigações sísmicas, Çavuşoğlu disse que “se esta oportunidade não for aproveitada, continuaremos as nossas atividades assim que a manutenção for concluída como temos feito até agora”.

Referindo-se ao mapa de Sevilha defendido pela Grécia, o ministro turco disse que “A Grécia precisa de explicar porque não aceita este mapa. Enquanto esse mapa existir, não podemos resolver problemas. Enquanto este mapa existir, não haverá negociação ou não terão resultados. Não adianta fazer reuniões sem resultados. Não estou a dizer que a Turquia não queira negociações. Queremos negociações, mas as negociações deverão ser conclusivas e justas”.

Çavusoglu concluiu dizendo que continuarão a manter o tema do desarmamento das ilhas do mar Egeu na agenda internacional e que este tema faz parte das conversações exploratórias.



Notícias relacionadas