"Erdogan se vingou do Tratado de Sevres depois de um século"

Nas notícias com o título "Erdogan se vingou do Tratado de Sevres depois de um século" do jornal Le Monde, destacou-se que o presidente Recep Tayyip Erdogan e o primeiro-ministro líbio Fayez al-Sarra precisam de um lugar cheio de história

1466408
"Erdogan se vingou do Tratado de Sevres depois de um século"

O jornal francês Le Monde escreveu que o presidente Recep Tayyip Erdogan se vingou do Tratado de Sevres.

Nas notícias com o título "Erdogan se vingou do Tratado de Sevres depois de um século" do jornal Le Monde, observou-se que o presidente Recep Tayyip Erdogan e o primeiro-ministro líbio Fayez al-Sarra precisam de um lugar cheio de história e esplêndido em onde eles podem assinar um tratado inesquecível para poder mudar o jogo estratégico no norte da África e no Mediterrâneo.

Nas notícias, é relatado que, para este tratado, o Palácio Dolmabahçe é um lugar perfeito e que Erdogan e Sarraj se encontraram quatro vezes em relação ao tratado entre novembro de 2019 e fevereiro de 2020.

Nas notícias, alegou-se que o governo de Trípoli aceitou um princípio de restrição naval "destinado a responder aos desejos de Ancara no Mediterrâneo Oriental" e afirmou-se que após o segundo encontro de Erdogan com Sarraj em 16 de dezembro de 2019 no Palácio Dolmabahçe e a declaração “Graças a este tratado militar e energético que violamos o Tratado de Sevres” foi lembrada e foi feito o comentário de que Erdogan se vingou do Tratado de Sevres.

Nas notícias, destacou-se que a UE e os EUA apoiaram a organização terrorista separatista YPG / PKK na luta contra a organização terrorista DAESH na Síria.

Nesta notícia, é relatado que após a tentativa de golpe de Estado da Organização Terrorista Fethullahist (FETÖ) em 15 de julho de 2016, a Turquia na fronteira com a Síria lutou intensamente contra a organização terrorista PKK.

Nas notícias, notou-se que a data de abertura da mesquita Hagia Sophia para culto não era coincidência e que 24 de julho foi o 97º aniversário do Tratado de Lausanne.


Etiquetas: ##Erdogan , ##Le Monde

Notícias relacionadas