Ancara se opõe à demanda russa de incluir o PYD na Oposição síria

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Cavusoglu, disse ao seu colega russo Lavrov que a demanda de Moscou para incluir os membros da PYD na Coalizão Nacional para as Forças da Revolução e da Oposição da Síria é inaceitável.

Ancara se opõe à demanda russa de incluir o PYD na Oposição síria

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, realizou uma reunião na segunda-feira com seu colega russo, Sergey Lavrov, à margem da Cúpula da Associação das Nações do Sudeste Asiático em Manila, a capital das Filipinas.

Os dois ministros discutiram o conflito sírio em curso, os laços econômicos entre os dois países e a viagem sem visto para cidadãos turcos para a Rússia.

PYD

A Rússia quer que a organização guarda-chuva dos grupos de oposição síria, a Coalizão Nacional da Revolução Síria e Forças da Oposição, aumentem o número de seus membros. A Rússia e a Turquia estão trabalhando na inclusão de nomes que pertencem a diferentes grupos minoritários da Síria.

A demanda de Moscou para adicionar nomes do PYD criou problemas. Isso encabeçou a agenda em Manila. Cavusoglu novamente insistiu que é a linha vermelha para Ancara e que tal movimento seria inaceitável.

Ancara considera que o PYD é o afiliado sírio do PKK, designado como organização terrorista pela Turquia, os EUA e a UE.

O PKK vem travando uma campanha armada contra a Turquia que reivindicou mais de 40 mil vidas nas últimas três décadas.

A PYD agora controla grandes extensões do norte da Síria, especialmente ao longo da fronteira do país com a Turquia. Os EUA têm prestado apoio militar e financeiro ao grupo.

Moscou diz que deseja equilibrar a influência dos EUA no grupo. Mas qualquer apoio ao PYD é inaceitável para a Turquia sob qualquer pretexto, pois poderia levar ao fortalecimento das posições do PYD na Síria.

Zonas de escalação na Síria

Lavrov e Cavusoglu discutiram como estabelecer quatro zonas de escalação na Síria, especialmente em Idlib, à luz de um acordo alcançado pela Turquia, Rússia e Irã durante uma rodada de conversações de paz realizada na capital do Cazaquistão, Astana, no início de maio.

Idlib é a zona mais crucial agora que o antigo grupo militante Al-Qaeda, Hayat Tahrir al Sham, assumiu o controle da cidade.

Durante a rodada subsequente de negociações realizada no início de julho em Astana, não foi possível chegar a um acordo sobre os detalhes da zona de escalação.

Funcionários turcos, russos e iranianos se encontrarão em Teerã no dia 8 de agosto para discutir os detalhes.

Laços econômicos

Outro tema discutido durante o encontro entre os dois ministros dos Negócios Estrangeiros foi a melhoria dos laços econômicos entre os dois países e a viagem sem visto para a Rússia para os cidadãos turcos.

Depois que um avião de combate russo foi derrubado em 2015 por um jato turco na região fronteiriça da Síria, a Rússia limitou o comércio com a Turquia. Isso afetou as exportações turcas de vegetais e frutas. No ano passado, em agosto, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan visitou São Petersburgo e os dois países começaram a normalizar suas relações comerciais novamente.

Os cidadãos turcos e russos costumavam desfrutar de viagens sem vistos antes da crise. Mas a Rússia impôs algumas restrições sobre os cidadãos turcos que agora estão sendo suspensas uma a uma.

Cavusoglu disse hoje aos repórteres que a exportação de tomates é a última questão importante entre os dois países. "Nós discutimos como melhorar nossos laços econômicos. Foi uma reunião produtiva".


Fonte: TRTWorld, AA



Notícias relacionadas