Operação Fonte da Paz

"O objetivo é a paz
o alvo é o terrorismo"

Resultados oficiais do referendo da Turquia divulgado

Os resultados finais divulgados pelo conselho eleitoral elevado mostram que a campanha "sim" recebeu 51.41 por cento dos votos, quando os "nenhuns" obtiveram 48.59 por cento.

Resultados oficiais do referendo da Turquia divulgado

Os resultados finais do referendo da Turquia sobre a mudança do sistema de governança no país mostraram 51,4% de apoio ao voto "Sim" para aprovar as mudanças constitucionais, disse a Suprema Câmara Eleitoral (YSK) nesta quinta-feira.

Os resultados, com 48,59 por cento de votos "não", corresponderam aos números preliminares divulgados após a votação encerrada em 16 de abril, o YSK disse ao explicar a razão para rejeitar as petições apresentadas por três partidos políticos para anular o referendo.

As mudanças constitucionais aprovadas no referendo permitirão à Turquia adotar um sistema presidencial de governança e, segundo seus defensores, garantirá a estabilidade política de um país que tem experimentado múltiplas coalizões instáveis. Os opositores alegam que isso levará à regra de um só homem.

As alterações aprovadas entrarão em vigor a partir de novembro de 2019.

Depois do referendo, surgiram preocupações do Partido Popular Republicano (CHP), do Partido da Democracia Popular (HDP) e do Partido Patriótico de esquerda pelo que disseram ser falhas na votação, em particular a aceitação de boletins de voto não estampados pelo YSK.
No entanto, o YSK disse que a decisão era objetiva, e em linha com o princípio de igualdade e imparcialidade.

"De acordo com as exigências de uma sociedade democrática, o direito dos cidadãos a participar na governação por meio do voto deve ser protegido contra todos os tipos de obstáculos, razão pela qual o direito de voto dos cidadãos é um direito que deve ser protegido nos casos em que não viola a segurança eleitoral", disse o YSK em comunicado.

O YSK sublinhou que os erros dos oficiais da cédula de voto que não carimbaram as cédulas em determinados locais não devem obstruir os direitos do povo de votar.

Na terça-feira, o Conselho de Estado da Turquia, que trata de queixas e recursos contra instituições estatais e públicas, recusou-se a ouvir um apelo do CHP.

O CHP disse que iria apelar para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que o referendo refletiu a vontade dos eleitores turcos e as queixas da oposição e do observador possuem motivação política.

Fonte: TRTWorld e agências



Notícias relacionadas