A vitória histórica do turco Ramil Guliyev no Campeonato Mundial de Atletismo

A Turquia conquistou pela primeira uma medalha de ouro no Campeonato Mundial de Atletismo, graças ao triunfo de Ramil Guliyev, que venceu a final dos 200 metros.

A vitória histórica do turco Ramil Guliyev no Campeonato Mundial de Atletismo

O mundo desportivo deixou para trás uma semana intensa. Em várias competições e modalidades desportivas, foram alcançados resultados interessantes.

A competição mais importante da última semana, foram os Campeonatos do Mundo de Atletismo, mas houve também desenvolvimentos importantes nos desportos motorizados, no ténis e no futebol.

O Campeonato Mundial de Atletismo foi o palco de vitórias, derrotas, alegrias e tristezas. A Turquia ganhou pela primeira vez uma medalha de ouro na segunda prova maior do atletismo mundial, graças ao triunfo de Ramil Guliyev, que por apenas 2 centésimos de segundo venceu a final dos 200 metros. “Fiz trabalho específico durante dois meses só para conquistar um centésimo de segundo” – afirmou o atleta.

Outro atleta em destaque nestes campeonatos do mundo foi Yasmani Copello Escobar, que competiu em nome da Turquia e conquistou a medalha de prata na prova dos 400 metros com obstáculos. Mas uma das maiores figuras nestes campeonatos do mundo foi o atleta francês Yohann Diniz, que aos 39 anos continua a vencer. Diniz venceu a prova dos 50 kms marcha, que completou com o tempo de 3 horas, 39 minutos e 12 segundos. Diniz conseguiu aos 39 anos, conquistar o título que não conseguiu aos 29 anos em Osaka. No seu palmarés, Yohann Diniz conta com títulos da Europa em 2 006, 2 010 e 2 014, mas esta foi a primeira vez que conquistou um título mundial.

A final dos 100 metros foi a competição mais esperada do Campeonato Mundial de Atletismo. Os amantes do desporto queriam mais que tudo, assistir ao desfecho da competição entre o velocista jamaicano Usain Bolt – detentor do recorde do mundo dos 100 metros com o tempo de 9,58 segundos – e o seu eterno rival, o americano Justin Gatlin. Esta prova tinha uma importância maior do que é habitual, pois Bolt já tinha anunciado antes dos mundiais de atletismo que esta seria a sua última corrida. Milhares de pessoas vieram de propósito ao estádio para assistir a esta corrida, e milhões de fãs de Bolt em todo o mundo ficaram pregados às suas televisões, na esperança de que o grande campeão se retirasse com mais uma medalha de ouro, em clima de apoteose. Mas todas as esperanças se desvaneceram em segundos e o resultado foi uma grande desilusão. Bolt, uma lenda viva do atletismo, terminou a corrida em terceiro lugar. A expetativa e o entusiasmo terminaram em tristeza, com o grande campeão a ter uma triste despedida da sua prova preferida, os 100 metros. Depois da corrida, Bolt confirmou que esta foi mesmo a sua última corrida e que não voltará às pistas. Bolt lesionou-se durante a corrida, o que fez com que a sua despedida tivesse um sabor agridoce, pois não conseguiu terminar a carreira como queria, ou seja, a vencer.

Os Campeonatos do Mundo de Atletismo, que este ano decorreram em Londres, foram marcados pela instabilidade climática típica da capital britânica. As provas decorreram ora debaixo de sol, ora debaixo de chuva. Os Estados Unidos foram o país que mais medalhas conquistou, com um total de 30. Em segundo lugar ficou com o Quénia com 11 medalhas, e na terceira posição ficou a África do Sul com 6 medalhas.

O próximo Campeonato do Mundo de Atletismo terá lugar em 2 019, e a Associação Internacional de Federações de Atletismo já anunciou que a prova será disputada no Qatar.

Do atletismo passamos agora para o ténis, para falar de Roger Federer, um dos desportistas mais destacados a nível mundial devido às suas conquistas, ao seu espírito desportivo, aos seus projetos sociais e à luta que dá nos courts de ténis, apesar de já ter 36 anos. O tenista suíço, que este ano já ganhou dois torneios do Grand Slam, ao vencer o Open da Austrália e Wimbledon, acabou por conhecer a derrota frente ao alemão Alexander Zverev, de apenas 20 anos de idade. Federer perdeu por 2-0, pelos parciais de 6-3 e 6-4 na final do torneio Rogers Cup, que decorreu na cidade canadiana de Montreal. Federer também começou a ganhar às grandes estrelas mundiais quando tinham apenas 20 anos, e não se pode por isso dizer que esta derrota tenha marcado o começo do seu fim. O ouro não perde o valor só porque cai no chão…

No motociclismo destaque vai para o piloto italiano Andrea Dovizioso, que venceu a 11ª corrida do mundial deste ano de Moto GP. No Grande Prémio da Áustria que se disputou na cidade de Spielberg, numa corrida ao longo de 28 voltas num circuito com 4,3 kms de extensão, o piloto italiano terminou à frente e conquistou a sua segunda vitória esta época e a quinta da sua carreira. No segundo lugar desta corrida ficou o piloto espanhol Marc Marquez, que com esta segunda posição ascendeu à liderança do mundial de pilotos e tem agora um total de 174 pontos. No segundo lugar está agora Andrea Dovizioso com 158 pontos, e no terceiro posto segue outros espanhol, desta vez Maverick Viñales, com 150 pontos. A classificação geral de pilotos alterna entre pilotos italianos e espanhóis, com Valentino Rossi a ser quarto classificado com 141 pontos, tendo logo atrás de si o espanhol Dani Pedrosa com 139 pontos na quinta posição. Qualquer um destes 5 pilotos pode ainda ser campeão este ano.

Continuando a falar de Espanha e Itália, destaque para a Super Taça de futebol disputada nesses dois países. Em Itália, o título foi discutido entre a Lázio e a Juventus, enquanto que em Espanha houve lugar a mais um “el clasico” entre Barcelona e Real Madrid.

O Real Madrid venceu fora por 3-1, ao seu eterno rival Barcelona, no Estádio de Camp Nou. Este jogo ficou marcado pela expulsão da estrela maior da constelação do Real Madrid, com Cristiano Ronaldo a ver o cartão vermelho aos 82 minutos, por acumulação de cartões amarelos. Ronaldo entrou no jogo apenas na segunda parte e jogou apenas cerca de meia hora. Na segunda mão da final da Super Taça de Espanha que se disputou em Madrid, o Real voltou a ganhar e confirmou a conquista da Super Taça. Em Itália, a Super Taça foi conquistada pela Lázio, que venceu a Juventus por 3-2 com um golo no último minuto.

Com esta informação termina por aqui o programa de hoje, mas nunca acabará o Desporto Mundial.

Este programa foi escrito por Ali Tansu Polatkan



Notícias relacionadas