Netanyahu rejeita o pedido de Biden para reduzir a ofensiva militar na Faixa de Gaza

O primeiro-ministro de Israel agradeceu o apoio dos Estados Unidos, mas garantiu que as operações vão continuar para restaurar a 'calma e segurança' dos israelitas.

1642378
Netanyahu rejeita o pedido de Biden para reduzir a ofensiva militar na Faixa de Gaza
joe biden.JPG
Gaza AFP 1.jpg

AA - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, rejeitou na quarta-feira, 19 de maio, o pedido do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para reduzir a atual ofensiva militar na Faixa de Gaza e frisou que a operação vai continuar.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse ao primeiro-ministro israelita na quarta-feira que espera que Israel reduza a sua ofensiva militar na Faixa de Gaza, durante uma conversa - informou a Casa Branca após a conversa por telefone entre os dois líderes, a quarta no espaço de uma semana.

Netanyahu manifestou o seu agradecimento pelo apoio dos Estados Unidos a Israel e pelo compromisso de Washington com o direito de defesa de Israel, mas insistiu que as operações vão continuar "até que o seu objetivo seja alcançado" - segundo um comunicado divulgado pelo gabinete do primeiro-ministro israelita.

O presidente israelita disse que a ofensiva vai continuar "para restaurar a calma e a segurança" dos israelitas.

"O presidente informou o primeiro-ministro de que espera uma desaceleração significativa ainda hoje, no caminho para um cessar-fogo" - afirmou a porta-voz Karine Jean-Pierre aos jornalistas a bordo do avião presidencial americano.

Em Israel, o canal Channel 12 TV, disse que as autoridades de segurança israelitas não esperam que os ataques contra Gaza terminem antes da próxima sexta-feira.

Pelo menos 227 palestinos foram mortos, incluindo 64 crianças e 38 mulheres, nos ataques israelitas na Faixa de Gaza desde 10 de maio - informou o Ministério da Saúde palestino na quarta-feira.

O Ministério da Saúde palestino indicou através de um comunicado que 1 620 pessoas ficaram feridas durante os ataques. A declaração surgiu depois de mais quatro civis terem sido mortos, incluindo uma menina de dois anos, quando aviões de guerra israelitas bombardearam uma casa no centro da Faixa de Gaza.

AA



Notícias relacionadas