Operação Fonte da Paz

"O objetivo é a paz
o alvo é o terrorismo"

Turquia pede à Índia que ponha termo a violações dos direitos humanos em Jammu e Caxemira

O presidente da Comissão de Pesquisa em Direitos Humanos da Grande Assembleia Nacional da Turquia, Hakan Çavuşoğlu, publicou uma declaração sobre a situação em Jammu e Caxemira.

Turquia pede à Índia que ponha termo a violações dos direitos humanos em Jammu e Caxemira

A Turquia exortou o governo da Índia a acabar com as violações dos direitos humanos em Jammu e Caxemira o mais rápido possível.

O presidente da Comissão de Investigação de Direitos Humanos da Grande Assembléia Nacional da Turquia (TBMM, em turco), Hakan Çavuşoğlu, em comunicado, lembrou que os progressos realizados após a abolição do artigo constitucional, que fixa o status de Jammu e Caxemira, sob a administração da Índia, fizeram da Caxemira uma das regiões mais sensíveis do mundo.

Çavuşoğlu disse que mais de 6.000 pessoas na Caxemira foram presas, incluindo políticos, jornalistas, médicos, acadêmicos e ativistas regionais, a partir de 5 de agosto de 2019, quando o status constitucional da Caxemira foi revogado e chamou a atenção para essas pessoas. eles podem permanecer detidos por dois anos por qualquer acusação de acordo com a Lei de Segurança Pública.

Çavuşoğlu disse que até agora nenhum agente de segurança indiano envolvido em tortura, abuso, detenções arbitrárias e o uso desproporcional da força com armas de ar comprimido e balas de plástico, que causam cegueira, foram julgados por violações de direitos humanos devido a Existem leis que garantem uma isenção absoluta de julgamento.

“Organizações independentes de direitos humanos não têm permissão para acessar a região. O Alto Comissariado das Nações Unidas publicou dois relatórios sobre a situação em Jammu e Caxemira , um em junho de 2018 e outro em julho de 2019. Esses relatórios confirmam violações sistemáticas, confirmando o direito do povo da Caxemira de determinar seu status com Resoluções do Conselho de Segurança da ONU e solicita o estabelecimento de uma Comissão de Investigação independente, sob a supervisão da ONU, para investigar violações e punir os responsáveis ​”, acrescentou.

Çavuşoğlu salientou que as violações dos direitos humanos em Jammu e Caxemira registraram um aumento significativo desde 5 de agosto de 2019.

"Antes que o status especial da região fosse revogado e todas as conexões com o mundo exterior fossem cortadas, as tropas foram realocadas aqui e a região se tornou o lugar mais militarizado do mundo".

Indicando que a lei marcial continua na região desde 5 de agosto e toda a comunicação com o mundo exterior de 8 milhões de pessoas foi cortada e a Internet e o celular não podem ser usados, acrescentou:

“Como as pessoas estão presas em suas casas, o acesso a hospitais, medicamentos e alimentos é impedido. Escolas e escritórios ainda estão fechados. Como sempre, crianças, idosos e mulheres são as maiores vítimas dessas restrições. O direito ao toque de recolher, assembléia e manifestação pacíficas e liberdades religiosas foi suspenso. Isso inclui a celebração do Eid al-Adha de acordo com tradições religiosas. Peço ao governo da Índia que acabe com as violações dos direitos humanos em Jammu e Caxemira o mais rápido possível.”



Notícias relacionadas