A cúpula do Grupo dos Sete (G7) continua em Biarritz

Combater a desigualdade é o tema principal da cúpula

A cúpula do Grupo dos Sete (G7) continua em Biarritz

A cimeira do G7 continua, com a participação de representantes dos EUA, Alemanha, Grã-Bretanha, Japão, França, Canadá e Itália, na cidade francesa de Biarritz, no sudoeste do país.

No segundo dia da cúpula, o presidente francês Emmanuel Macron, o presidente dos EUA, Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte, o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e o presidente do Conselho da União Europeia (UE), Donald Tusk, participaram da sessão sobre segurança internacional e economia.

Combater a desigualdade é o tema principal da cúpula.

Segurança, mudança climática, violência contra as mulheres e igualdade de gênero são outros destaques da cúpula.

Os líderes devem discutir questões como Ucrânia, Síria, Irã, Brexit e os incêndios na Amazônia.

Segundo fontes diplomáticas citadas pela mídia francesa, os países do G7 encarregaram a Macron de enviar uma mensagem ao Irã sobre o acordo nuclear.

Os dignitários participaram de sessões sobre "estabelecer um calendário em economia internacional / comércio e segurança internacional", "combater a desigualdade" e "parceria do G7 com a África".

No terceiro e último dia da cúpula, serão realizadas sessões intituladas "clima, vários seres vivos e oceanos" e "transformação digital".

A reunião de hoje foi convocada pelos líderes da ONU, Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional (FMI), Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Organização Mundial do Comércio (OMC) e funcionários da Organização Internacional do Trabalho (OIT), África do Sul, Burkina Faso, Egito, Senegal, Ruanda, Espanha, Chile, Índia e Austrália.

Os líderes realizarão reuniões bilaterais como parte da cúpula.

O segundo dia da cúpula, no qual mais duas sessões serão realizadas sobre a luta contra a desigualdade e a associação do G7 com a África, terminará com uma foto de família e um jantar do anfitrião Macron.

-Manifestações

Enquanto isso, as manifestações de grupos anti-G7 em torno de Biarritz também continuam hoje.

Os manifestantes começaram a se concentrar em Bayonne.

As autoridades francesas estão preocupadas com a ocorrência de atos de violência nos protestos de hoje.

Na mobilização de ontem que ocorreu nas cidades de Hendaye e Bayonne, perto de Biarritz, houve tensão entre os manifestantes e a polícia.

No dia anterior, 17 pessoas foram presas e 4 policiais ficaram levemente feridos em protestos entre manifestantes e policiais durante o protesto em Urrugne.

A cimeira, que começou ontem à noite com o jantar oferecido pela Macron aos líderes dos países do G7, terminará amanhã.

13.200 policiais e gendarmerie, bem como 450 bombeiros estão de plantão durante a cúpula em particular contra um possível ataque terrorista.



Notícias relacionadas