Rússia promete uma "resposta simétrica" ao teste de mísseis dos EUA

O presidente Vladimir Putin disse que os mísseis na base aérea romena e o envio de tropas na Polônia são "uma violação direta, significativa e séria do Tratado INF" pelos EUA.

Rússia promete uma "resposta simétrica" ao teste de mísseis dos EUA

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou na sexta-feira aos Ministérios das Relações Exteriores e Defesa de seu país "que tomem medidas abrangentes para preparar uma resposta simétrica" ao teste de mísseis dos EUA.

Na segunda-feira, o Pentágono anunciou que o Exército dos EUA testou uma versão terrestre do míssil de cruzeiro Tomahawk da Marinha.

Em uma reunião do Conselho de Segurança russo na capital, Moscou, Putin enfatizou que o uso de armas proibidas sob o antigo Tratado de Forças Intermediárias Nucleares (INF) e o uso do lançador universal MK-41 "confirma que a vontade da Rússia foi a que manteve os Estados Unidos no tratado enquanto estava em vigor ".

Acrescentou ainda que a implantação de lançadores norte-americanos em terra, na base de defesa aérea na Romênia, e seu próximo destacamento de tropas na Polônia, são "uma violação direta, significativa e séria do Tratado INF".

"Levando em conta as novas circunstâncias, instruo o Ministério da Defesa da Federação Russa, o Ministério das Relações Exteriores e outras instituições relevantes a analisar o nível de ameaça representado em nosso país pelas ações dos EUA mencionadas acima, e tomar medidas abrangentes para preparar uma resposta simétrica ", disse Putin.

Putin informou que a Rússia não quer se envolver em uma corrida armamentista "cara e destrutiva" por sua economia.

Em 2 de agosto, os EUA retiraram-se formalmente do Tratado INF, após uma guerra de palavras que durou meses entre Moscou e Washington.

O tratado foi assinado em 1987 pelo então líder soviético Mikhail Gorbachev e pelo presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, reduzindo as chances de uma guerra nuclear na Europa.

De acordo com o tratado, os dois lados destruíram a classe inteira de mísseis de curto e médio alcance em quatro anos.



Notícias relacionadas