Egito decreta o estado de alerta máximo após a morte de Mursi

O Ministério do Interior lançou o plano "C" que inclui o aumento do número de agentes de segurança nas praças e a realização de operações preventivas contra os elementos "terroristas"

Egito decreta o estado de alerta máximo após a morte de Mursi

O Ministério do Interior egípcio decretou o estado de alerta máximo no país após a morte do primeiro presidente democraticamente eleito, Mohamed Mursi, derrubado pelo golpe em 2013.

A imprensa egípcia informou que o Ministério do Interior começou a rever seus planos para as profundas e estacionadas milhares de patrulhas de segurança constantes e móveis em todo o país.

O Ministério cancelou todos os feriados para oficiais e agentes de segurança e aumentou as medidas de segurança contra instituições públicas e privadas, igrejas e hotéis.

O Ministério também lançou o plano "C", que inclui a adoção de mais medidas de segurança nas estradas, o aumento do número de agentes de segurança nas praças e a realização de operações preventivas contra os elementos "terroristas".

A televisão estatal egípcia anunciou ontem que Mursi morreu depois de desmaiar na jaula durante o seu julgamento.

O primeiro presidente eleito do país, Mohamed Mursi, estava sendo julgado por alegada espionagem.

Mursi foi derrubado em 3 de julho de 2013 pelo golpe militar liderado pelo atual presidente do país, Abdelfatah al Sisi.



Notícias relacionadas