Banco Mundial aprova 165 milhões de dólares para os Rohingya em Bangladesh

O fundo destina-se a construir infra-estrutura básica, melhorar a resiliência da comunidade e ajudar a prevenir a violência baseada em gênero.

Banco Mundial aprova 165 milhões de dólares para os Rohingya em Bangladesh

AA - O Banco Mundial aprovou US $ 165 milhões para ajudar Bangladesh a atender os refugiados rohingya que estão no país, informou o banco em um comunicado.

"A concessão vai ajudar Bangladesh a fornecer serviços básicos e construir resistência social ao povo Rohingya que fugiram da violência em Mianmar" , disse o comunicado, referindo-se à Birmânia.

O banco disse que o fundo será usado para construir um sistema de abastecimento de água que entenda as visões da comunidade, a coleção sistemas de abastecimento de água pluvial e encanada, além de melhorar as instalações de saneamento.

"O projeto vai também construir e melhorar abrigos contra ciclones polivalentes, estradas, caminhos, ralos, bueiros, pontes e instalar luzes de rua solares nos campos," acrescentou.

"O afluxo (de refugiados) exerceu enorme pressão sobre a infraestrutura local, serviços e recursos públicos. [...] Através de nossos projetos novos e existentes, estamos ajudando a população local", disse Dandan Chen , diretor interino do Banco Mundial para Bangladesh e Butão.

"Mais da metade da população Rohingya são mulheres e meninas, e antes de vir para Bangladesh, elas foram expostas à violência de gênero e agora estão em risco", disse o líder da equipe do Banco Mundial para o projeto, Swarna Kazi.

A doação é a terceira de uma série de financiamentos planejados de aproximadamente US $ 500 milhões anunciados pelo Banco Mundial em junho de 2018.

Perseguição

Os Rohingya, descritos pela ONU como as pessoas mais perseguidas no mundo, têm enfrentado grande medo de ataques desde que dezenas de pessoas morreram em violência comunitária em 2012.

Desde 25 de agosto de 2017, cerca de 24 mil muçulmanos Rohingya foram mortos por forças do Estado na Birmânia, segundo um relatório da Agência de Desenvolvimento Internacional de Ontário (OIDA).

Mais de 34 mil rohinyas também foram jogados no fogo, enquanto outros 114 mil foram espancados, disse o relatório da OIDA intitulado "Migração forçada de Rohingya: Experiência incalculável".

Segundo a Anistia Internacional, mais de 750 mil refugiados rohingya, a maioria crianças e mulheres, fugiram de Mianmar e cruzaram para Bangladesh depois que as forças birmanesas lançaram uma ofensiva contra a comunidade muçulmana minoritária.

A ONU documentou massivas violações em massa, homicídios, incluindo bebês e crianças pequenas, espancamentos brutais e desaparecimentos cometidos por forças estatais na Birmânia. Em um relatório, investigadores da ONU disseram que tais violações poderiam ter constituído crimes contra a humanidade.

(Agência Anadolu)



Notícias relacionadas