As ruas de Paris se rendem às chamas dos protestos

Há 974 prisões, 18 feridos, incluindo 17 policiais em conflitos

As ruas de Paris se rendem às chamas dos protestos

As ruas de Paris tornaram-se o campo de batalha devido aos protestos dos coletes amarelos iniciados pela reação aos altos preços dos combustíveis na França, mas depois transformaram-se em rancor contra o presidente Macron e sua administração.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, disse na conferência de imprensa que nos protestos assistidos por cerca de 125 mil pessoas em todo o país, 974 pessoas foram presas e 18 ficaram feridas, incluindo 17 policiais.

Os protestantes ontem às 07:00 horas, hora local começaram a se encontrar na Avenida dos Champs-Elysées, em Paris.

A polícia não permitiu que os manifestantes entrassem na avenida sem fazer o revezamento. Entre a polícia e os manifestantes houve momentos de tensão devido aos slogans como 'Renúncia de Macron'.

Os coletes amarelos nas horas da tarde, apesar dos apelos de serenidade dos agentes de segurança que entravam nas avenidas nas proximidades, incendiaram vários carros, jogaram garrafas e pedras na polícia. Como a tensão nas ruas aumentou, os veículos blindados foram enviados.

Os ativistas que mantiveram seus protestos em diferentes pontos como Republique e Ópera, saquearam muitas lojas e prejudicaram o meio ambiente. Muitas ruas em diferentes partes do país foram fechadas para o tráfego.

Trabalharam 89 mil policiais e só em Paris havia 8 mil policiais e 12 veículos blindados em patrulha.

Enquanto as manifestações atingem a vida cultural de Paris, os museus nas proximidades de Champs Elysees não estarão abertos. Da mesma forma, os programas nos edifícios Garnier e Bastile Ópera foram cancelados.

A partida planejada entre o Paris Saint-Germain PSG e Montpellier na 1ª Liga de Futebol foi cancelada. A Torre Eiffel não foi aberta para visitação.

O Arco do Triunfo que foi danificado durante as manifestações na semana passada foi fechado. Cerca de 30 linhas de metrô e muitas estradas, avenidas foram fechadas em Champs Elysees devido a protestos.

As ações dos coletes amarelos que começaram em 17 de novembro como um protesto pelo aumento do combustível e pelo agravamento das condições econômicas se tornaram o protesto mais violento dos últimos anos na França.

Em 1º de dezembro, milhares de pessoas compareceram à manifestação na periferia da Avenida Campos Elíseos. A polícia interveio bruscamente. Recipientes e carros foram queimados nas ruas.

Um grande número de restaurantes, cafés e lojas fecharam as portas. O dano econômico é estimado em 4 milhões de euros.

3 pessoas morreram, outras 1.043 ficaram feridas (incluindo 222 agentes de segurança), 1.424 pessoas foram presas.

Foi declarado que o aumento do preço do combustível foi cancelado até 2019, mas ativistas de coletes amarelos anunciaram que continuarão as manifestações alegando que isso não é suficiente.



Notícias relacionadas