Americano acusado de conspirar para explodir estátua confederada

A prisão ocorreu apenas algumas horas depois que a Universidade do Texas em Austin disse que removeu quatro estátuas ligadas à Confederação.

Americano acusado de conspirar para explodir estátua confederada

Um homem de 25 anos que alegadamente planejava explodir uma estátua confederada em Houston, Texas, foi preso, disseram as autoridades na segunda-feira, quando o debate desenrolou nos Estados Unidos sobre o que fazer com os símbolos da era da guerra civil da nação.

As autoridades de Houston disseram que prenderam Andrew Schneck, que na época estava fazendo com que os compostos químicos altamente voláteis fossem utilizados na fabricação de bombas no sábado, perto da estátua de um soldado confederado.

Um juiz ordenou que ele fosse preso na pendência de uma audiência judicial, que foi marcada para quinta-feira.

A prisão veio com os americanos profundamente divididos sobre manter ou descartar suas estátuas confederadas, que alguns vêem como uma lembrança vergonhosa do passado do próprio escravo da nação, mas outros insistem que representam um legado orgulhoso e culturalmente significativo do Velho Sul.

A Universidade do Texas durante a noite, sob a cobertura da escuridão, retirou várias estátuas confederadas de seu campus em Austin.

Os oficiais esperavam evitar os protestos e confrontos violentos que entraram em erupção em outras localidades onde as estátuas confederadas foram removidas.

"Os monumentos confederados tornaram-se símbolos da supremacia branca moderna e do neonazismo", disse o presidente da Universidade do Texas, Gregory Fenves, em uma declaração sobre a decisão de mudar as estátuas para um museu de história no campus.

"A Universidade do Texas em Austin tem o dever de preservar e estudar a história, mas nosso dever também nos obriga a reconhecer que essas partes da nossa história...não pertencem aos pedestais", disse ele.

Na semana passada, os protestos contra o duelo entre supremacistas brancos e anti-racistas em Charlottesville, Virgínia, acabaram com a morte de uma mulher de 32 anos, que foi atingida por um carro conduzido por um auto-proclamado neonazi. Vários outros ficaram feridos.

O incidente de Charlottesville provocou indignação nacional e envolve esforços para remover monumentos confederados em todo o país. Também provocou novos protestos.

As observações da semana passada realizadas pelo presidente Donald Trump inflamaram as paixões sobre a questão das estátuas confederadas, quando ele estabeleceu uma equivalência moral entre os nacionalistas brancos e os manifestantes antiracistas em Charlottesville.

Fonte: TRTWorld e agências



Notícias relacionadas