Negociações de Astana decidem a favor da criação de “zonas seguras” na Síria

Será impedido qualquer ataque armado entre o regime sírio e a oposição armada, incluindo ataques aéreos.

Negociações de Astana decidem a favor da criação de “zonas seguras” na Síria

A decisão de criar zonas seguras na Síria, na sequência da iniciativa da Turquia e com o apoio da Rússia, foi acordada durante as negociações de Astana. A Turquia, a Rússia e o Irão são os países garantes deste acordo de cessar-fogo na Síria.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Turquia, indicou que serão criadas zonas seguras sem confrontos em toda a região de Idlib, em algumas zonas de Latakia, Alepo, Hama, Homs, Guta Oriental, Derae e Kuneytra.

O representante especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, declarou-se satisfeito pela decisão tomada durante as negociações de Astana. Os detalhes e regras sobre as fronteiras destas zonas e as suas funções, serão definidos por um grupo de trabalho que irá ser criado com membros dos 3 países garantes, durante os próximos dias.

As zonas seguras irão inicialmente ter uma validade de 6 meses, mas este prazo será automaticamente prolongado caso os 3 países assim o entendam. Nas zonas seguras não será permitido qualquer ataque armado, incluindo raides aéreos. Será também garantido o acesso rápido de ajuda humanitária e está prevista a criação de pontos de controlo, observação e administração das zonas seguras, com tropas dos países garantes.

A luta contra as organizações terroristas continuará dentro e fora das zonas seguras. Os países garantes tomarão os passos necessários para separar os grupos terroristas dos opositores armados. O mapa destas zonas deve estar pronto a 4 de junho. O Grupo de Trabalho Comum fará um relatório sobre as atividades, durante as reuniões de alto nível sobre a Síria, em Astana.



Notícias relacionadas