Parlamento de Montenegro aprova acordo de adesão à OTAN

A adesão do país à OTAN é fortemente combatida pela Rússia e deve ser aprovada pelos 28 Estados-Membros atuais.

Parlamento de Montenegro aprova acordo de adesão à OTAN

O parlamento de Montenegro aprovou formalmente a adesão do país à OTAN na sexta-feira, apesar do boicote de partidos de oposição pró-russos que estão firmemente contra a adesão ao bloco militar ocidental.

Depois de um pequeno grupo de manifestantes queimar uma bandeira da OTAN fora da sessão na capital histórica de Cetinje, 46 dos 81 deputados votaram a favor da adesão à aliança.

O país balcânico, que abriga cerca de 620 mil pessoas, deverá tornar-se membro oficial até o final de maio, quando uma cúpula da OTAN será realizada em Bruxelas.

A adesão do Montenegro, que é fortemente oposta pela Rússia, completará a presença do bloco ao longo da costa do Adriático, já que a Grécia, Albânia e Croácia já são membros.

O primeiro-ministro Dusko Markovic disse que a adesão "teria um efeito positivo na estabilização da situação regional".

A adesão deve ser aprovada por todos os 28 Estados-membros atuais, e apenas dois ainda estão a dar a aprovação oficial à ex-república Iugoslava.

O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou o processo no início deste mês.

Cerca de 200 partidários da oposição Frente Democrática se reuniram em protesto em frente ao prédio na sexta-feira, gritando "ladrões" e "traidores" quando os deputados entraram.

"Não reconheceremos a decisão do parlamento, suas mãos estão contaminadas com sangue", disse o líder da Frente Democrática, Milan Knezevic, referindo-se ao bombardeio da OTAN à Sérvia e Montenegro em 1999 durante a guerra do Kosovo.

Moscou há muito considerou Montenegro, cuja população é na sua maioria eslava ortodoxa, para estar dentro de sua esfera de influência.

Após a votação no Montenegro, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse em uma declaração: "Dado o potencial de Montenegro, a aliança do Atlântico Norte é improvável que receba qualquer "valor agregado" significativo.

"Mas em Moscou não podemos ignorar as conseqüências estratégicas desse passo, portanto nos reservamos o direito de tomar tais decisões, que visam proteger os nossos interesses e a segurança nacional".

Fonte: TRTWorld e agências


Etiquetas: OTAN

Notícias relacionadas