FBI diz que os crimes de ódio contra os muçulmanos aumentaram 67% nos EUA

1.244 incidentes foram registrados unicamente pelo ódio religioso em 2015. Somente os adeptos da fé judaica foram alvejados mais, mesmo com uma queda dos números do ano anterior.

FBI diz que os crimes de ódio contra os muçulmanos aumentaram 67% nos EUA

Os crimes de ódio contra muçulmanos relatados em todo os Estados Unidos aumentaram em 67%. De acordo com um relatório do Departamento Federal de Investigação para 2015, 257 dos 1.244 incidentes foram alimentados por ódio religioso contra muçulmanos, contra 154 em 2014.

Os crimes de ódio são motivados por um preconceito contra "uma raça, religião, deficiência, orientação sexual, etnia, gênero ou identidade de gênero", de acordo com o FBI.

"Vimos um pico de incidentes anti-muçulmanos em todo o país, começando no final de 2015", disse Ibrahim Hooper, porta-voz do Conselho sobre Relações Islâmico-Americanas. "Esse pico continuou até hoje e até acelerou após a eleição do presidente eleito Donald Trump".

Depois que Trump ganhou as eleições presidenciais dos EUA em 8 de novembro, houve relatos de um aumento de incidentes racistas e anti-religiosos em todo o país.

"Estou tão triste ao ouvir isso", disse Trump ao programa 60 Minutes da CBS, quando informado de que alguns de seus apoiadores podem estar incomodando as minorias. "E eu digo, pare com isso. Se isso ajudar, direi direto para as câmeras: Pare."

Os crimes de ódio relatados contra os muçulmanos em 2015 estavam em seu nível mais alto desde os ataques do 11 de setembro contra os Estados Unidos. Em 2001, 481 crimes de ódio contra muçulmanos foram denunciados.

Os judeus são o único grupo religioso visado mais do que os muçulmanos. Em 2014, 60,1% de todos os ataques contra grupos religiosos visavam judeus, contra 15,2% contra muçulmanos. Em 2015, porém, os incidentes anti-muçulmanos subiram para 20,1%, enquanto a porcentagem de ataques anti-semitas caiu para 53,4%.

O relatório do FBI de 2015, o 25º desde que começou a compilar dados sobre crimes de ódio, contém dados de cerca de 15 mil agências policiais e "revela que 5.850 incidentes criminais e 6.885 ofensas relatadas".

No entanto, a Associated Press revelou no início deste ano que "17 por cento das agências locais de aplicação da lei não apresentaram um único relatório de crime de ódio durante os últimos seis anos". Isso levou alguns a acreditar que os crimes de ódio estavam sendo subnotificados.

"As lacunas na participação e relatórios incompletos demonstram materialmente que este trabalho deve continuar", disse Michael Lieberman, da Organização Anti-Difamação.

Lieberman assinalou que houve "esforços sem precedentes" para lidar com crimes de ódio nos últimos anos.

Fonte: TRTWorld e agências


Etiquetas: Islamofobia

Notícias relacionadas