O Conselho de Transição do Iêmen do Sul assume o controle do palácio presidencial em Aden

As forças da coalizão, lideradas pela Arábia Saudita, anunciaram que as tropas do Conselho de Transição do Iêmen do Sul começaram a se retirar das regiões que assumiram sob controle.

O Conselho de Transição do Iêmen do Sul assume o controle do palácio presidencial em Aden

As forças da coalizão, lideradas pela Arábia Saudita, anunciaram que as tropas do Conselho de Transição do Iêmen do Sul, apoiadas pelos Emirados Árabes Unidos, começaram a se retirar das regiões que assumiram sob controle.

A televisão saudita Al-Ihbariyya, citando uma coalizão autorizada no Iêmen, informou que o presidente do Conselho de Transição do Iêmen do Sul, Aidaroos al Zubaidi, transmitiu à Comandancia em Aden que a coalizão aceitou todos os pedidos.

Pelo menos 5 pessoas morreram e outras 119 ficaram feridas, incluindo 62 de forma grave, pelos conflitos das últimas 24 horas entre as forças leais ao governo legítimo e as forças de Al-Hizam Al Amni.

E na declaração feita neste domingo pelas forças da coalizão, foi relatado que ataques aéreos foram lançados contra algumas regiões que constituem uma ameaça às forças do governo e fiéis ao Conselho de Transição do Iêmen do Sul na capital temporária Aden.

As forças da coalizão pediram ontem que as forças armadas do Conselho de Transição do Iêmen do Sul voltem às suas posições anteriores, retirem-se das regiões sob os quais controlaram nos últimos dias, não prejudiquem os estabelecimentos públicos e privados e decretem um cessar fogo em Aden.

As tropas de Al-Hizam Al-Amni, leais ao Conselho de Transição do Iêmen do Sul, assumiram o controle do Palácio Presidencial de Maashiq e instituições públicas estratégicas em Aden no sábado.

Autoridades e comandantes deixaram o palácio em um veículo blindado pertencente à Arábia Saudita e as forças de Al-Hizam Al-Amni assumiram completamente o controle da cidade.

A coalizão liderada pelos sauditas luta contra os houthis que realizou um golpe ao legítimo governo iemenita em 2014.As forças da coalizão apoiam o governo do Iêmen desde 2015.



Notícias relacionadas