Turquia nega bombardeio em área arqueológica perto de Afrin

Ministério das Relações Exteriores turco diz que relato da mídia libanesa sobre o alegado bombardeio de Brad é "completamente falso".

Turquia nega bombardeio em área arqueológica perto de Afrin

No sábado, a Turquia negou notícias da imprensa libanesa alegando que aviões de guerra turcos bombardearam o sítio arqueológico de Brad, perto da região de Afrin, na Síria, durante a Operação Ramo de Oliveira.

Os relatórios de sexta-feira afirmaram que os ataques aéreos destruíram a igreja de Julianus e o mosteiro de Brad, no antigo local de Brad, perto de Afrin.

Em uma declaração por escrito, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia, Hami Aksoy, classificou os relatórios de "completamente falsos".

Ele disse que pode ser facilmente provado que a Igreja Julianus foi destruída por grupos armados em 2013, acrescentou.

"Ao contrário das alegações, todos os tipos de medidas foram tomadas para não danificar estruturas regionais e culturais, artefatos históricos e sítios arqueológicos desde o início da operação", disse Aksoy.

O porta-voz disse que a Turquia tomou as medidas necessárias para corrigir todos esses relatórios.

A Turquia lançou a Operação Ramo de Oliveira em 20 de janeiro para limpar grupos terroristas de Afrin, no noroeste da Síria, em meio a ameaças crescentes da região.

A operação está sendo realizada no âmbito dos direitos da Turquia com base no direito internacional, resoluções do Conselho de Segurança da ONU, seus direitos de autodefesa sob a carta da ONU e respeito à integridade territorial da Síria, disse.

Os militares também disseram que apenas alvos terroristas estão sendo destruídos e que o "máximo cuidado" está sendo tomado para não prejudicar os civis.



Notícias relacionadas