Alta funcionária da ONU renuncia após relatório que acusa Israel de apartheid com palestinos

A subsecretária geral da ONU, Rima Khalaf, desiste depois de se recusar a pressão para retirar um relatório que acusa Israel de apartheid contra os palestinos.

Alta funcionária da ONU renuncia após relatório que acusa Israel de apartheid com palestinos

A oficial jordaniana da ONU, Rima Khalaf, anunciou sua renúncia na sexta-feira, dizendo que o secretário-geral pediu-lhe para retirar um relatório no qual ela acusou Israel de ser um "estado de apartheid".

Sua renúncia ocorre depois que os Estados Unidos exigiram na quarta-feira que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, retire o relatório da Comissão Econômica e Social da ONU para a Ásia Ocidental.

"O secretário-geral pediu-me ontem de manhã para retirar o relatório." Pedi-lhe que repensasse a sua decisão, insistiu, por isso submeti a minha renúncia à ONU", disse Khalaf, subsecretária-geral e secretária executiva da Comissão Econônica e Social da ONU para a Ásia Ocidental, na sexta-feira.

O relatório afirmou ter estabelecido "a base de pesquisas acadêmicas e evidências esmagadoras, de que Israel é culpado do crime de apartheid"."No entanto, apenas uma decisão de um tribunal internacional nesse sentido tornaria tal avaliação verdadeiramente autoritária", acrescentou.

Os autores do relatório concluíram que "Israel estabeleceu um regime de apartheid que institucionaliza sistematicamente a opressão racial e a dominação do povo palestino como um todo".Khalaf disse que o relatório foi o "primeiro de seu tipo" de um órgão da ONU que "claramente e francamente conclui que Israel é um Estado racista que estabeleceu um sistema de apartheid que persegue o povo palestino".

O ministério de relações exteriores de Israel, no entanto, comparou o relatório a Der Sturmer, uma publicação de propaganda nazista que era fortemente anti-semita.O embaixador israelense da ONU, Danny Danon, denunciou o relatório, chamando-o de "mentira flagrante" e uma "tentativa de manchar e falsamente rotular a única verdadeira democracia no Oriente Médio".

A Comissão Econômica e Social da ONU para a Ásia Ocidental é composta por 18 Estados árabes da Ásia Ocidental e tem como objetivo apoiar o desenvolvimento econômico e social dos Estados membros, de acordo com seu site.

O relatório foi preparado a pedido dos Estados membros e foi autoria do ex-investigador de direitos humanos da ONU para os territórios palestinos Richard Falk e da professora de ciência política Virginia Tilley.

Mas o porta-voz da ONU para o secretário-geral Stephane Dujarric disse que o relatório foi publicado sem qualquer consulta prévia com o Secretariado da ONU.

Fonte: TRTWorld e agências


Etiquetas: ONU

Notícias relacionadas