Mais de 40 mortos após novos confrontos no Iêmen

Novas mortes são relatadas um dia após o término do cessar-fogo de 48 horas. O conflito de vinte meses no Iêmen tem até agora reivindicado cerca de 7.000 vidas.

Mais de 40 mortos após novos confrontos no Iêmen

Mais de 40 pessoas morreram na terça-feira após novos confrontos entre o governo iemenita e os rebeldes Houthi, disseram autoridades militares.

Os confrontos ocorreram um dia após o término de um frágil cessar-fogo de 48 horas.

As duas partes indicaram a culpa sobre violações do cessar-fogo que entrou em efeito em sábado depois que o secretário de estado dos EU John Kerry interveio. Foi a última internacional mais recente para acabar com o conflito de 20 meses do Iêmen, que a ONU diz ter matado mais de 7.000 pessoas e ferido quase 37.000.

Forças leais ao presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, apoiado pela Arábia Saudita, repeliram um ataque de rebeldes Huthi apoiados pelo Irã e seus aliados na periferia oeste da cidade de Taiz, disseram as autoridades.

O ataque, que começou na segunda-feira, dirigiu-se à área de Al-Dhabab, que fornece às forças pró-Hadi seu único acesso à cidade de 300 mil pessoas, cercada por rebeldes.

Os aviões da coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita participaram de operações para repelir o ataque, disseram autoridades.

Funcionários militares também informaram um ataque de artilharia pesada em um subúrbio oriental de Taez, enquanto forças pró-Hadi pressionaram uma campanha para recuperar o controle de um palácio presidencial, um quartel-general da polícia e uma base de defesa aérea dos huthis.

Onze combatentes rebeldes e cinco soldados pró-governo foram mortos nos confrontos em torno da cidade do sudoeste, disseram.

No noroeste do Iêmen, os combates em torno da cidade costeira de Midi custaram a vida de 18 rebeldes e quatro soldados, disse um comandante.

Um ataque de francotirador rebelde na noite de segunda-feira matou três soldados enquanto os Huthis tentavam avançar no porto de Midi, que é controlado por forças pró-Hadi.

Na cidade fronteiriça saudita de Najran, um civil iemenita foi morto e sete outros não-sauditas foram feridos por bombardeios rebeldes do Iêmen, disse a defesa civil saudita.

Os huthis invadiram a capital Sanaa e outras partes do país em setembro de 2014, levando a coalizão a intervir seis meses depois em apoio a Hadi.

Fonte: AFP


Etiquetas: Iêmen

Notícias relacionadas