O parlamento britânico rejeitou, pela segunda vez, convocar eleições antecipadas

O parlamento do Reino Unido decidiu a sua suspensão até 14 de outubro

O parlamento britânico rejeitou, pela segunda vez, convocar eleições antecipadas

Embora a proposta do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de convocar eleições antecipadas para 15 de outubro tenha sido rejeitada, pela segunda vez, o parlamento aceitou suspender as suas atividades até 14 de outubro, numa altura crítica para a questão do Brexit.

A pedido do governo, o parlamento abordou alguns projetos sobre o Brexit, apresentados pela oposição antes da suspensão do parlamento.

Primeiro, foram discutidas as férias do parlamento e a lei que obrigava o governo a publicar documentos e planos sobre um Brexit sem acordo.

O projeto apresentado por Dominic Grieve, que renunciou ao Partido Conservador, no poder, foi aprovado por 302 votos.

Caso o projeto  seja aprovado pela câmara dos lordes, poderá ser necessário revelar não apenas os planos e documentos oficiais, mas também os e-mails dos funcionários do governo e sua correspondência internacional, feita por através das redes sociais e aplicações como o Whatsapp .

Por sua vez, foi também abordado um projeto que exige a aplicação de uma lei que impeça um Brexit sem acordo. Como não houve rejeição do Partido Trabalhista, o projeto foi aceite sem sequer ir a votos.

Portanto, será essencial implementar a lei que prevê um adiamento do Brexit por três meses, caso o governo não chegue a acordo com a UE sobre o Brexit até 19 de outubro, ou se o parlamento não aprovar um a aprovação do Parlamento para um Brexit sem acordo.

Ao mesmo tempo, o pedido de Johnson para a realização de eleições antecipadas, foi rejeitado.

A proposta de convocação de eleições antecipadas para 15 de outubro recebeu 46 votos a favor e 293 votos contra, mas não foi alcançada uma maioria de dois terços no parlamento, composto por 650 membros.

O primeiro-ministro Johnson reitera frequentemente que o Brexit será concretizado a 31 de outubro, com ou sem acordo.



Notícias relacionadas