O partido de Pedro Sánchez venceu as eleições espanholas sem maioria absoluta

O partido Vox, de extrema direita, apareceu com força e elegeu 24 deputados.

O partido de Pedro Sánchez venceu as eleições espanholas sem maioria absoluta

O Partido Socialista Obreiro Espanhol (PSOE) de Pedro Sánchez venceu as eleições em Espanha, obtendo 28,7% dos votos e conquistando 123 deputados. Mas vai precisar de formar uma coligação para obter uma maioria no parlamento.

Estas foram uma das eleições mais distintivas desde a chegada da democracia ao país. Com quase 80% de participação – 10 pontos acima do registado nas últimas eleições – as coligações serão essenciais para a formação de um governo.

Um dos resultados mais importantes destas eleições é a queda a pique do Partido Popular, liderado por Pablo Casado. Este foi o pior resultado de sempre do partido, que perdeu mais de metade dos votos obtidos nas últimas eleições e elegeu apenas 66 deputados.

A terceira força eleitoral, o Cuidadanos, elegeu 58 deputados e melhorou o seu resultado face às eleições anteriores, onde tinha eleito apenas 32 deputads. Mas ainda assim os resultados ficaram abaixo das expetativas do seu líder, Albert Rivera, que esperava eleger 70 deputados.

O Unidos Podemos, liderado por Pablo Iglesias também teve uma queda substancial, ao eleger apenas 42 deputados contra os 71 da passada legislatura.

O VOX passou de zero a 24 deputados. A extrema-direita do Vox conseguiu a subida eleitoral que as sondagens já previam, dos 0,2% da votação alcançada em junho de 2 016, sem eleger nenhum deputado, consegue agora 11,0% e 24 lugares no parlamento.

Outra força com uma grande subida foi a Esquerra Republicana, um movimento independentista catalão, que apesar de ter uma grande parte dos seus membros detidos, conseguiu eleger 15 deputados contra apenas 7 do partido Junts per Catalunya, o partido de Carles Puigdemont.

Os resultados finais foram os seguintes:  o PSOE elegeu 123 deputados (28,7% dos votos) no Congresso dos Deputados, o PP (Partido Popular, direita) 66 (16,7%), o Cidadãos 57 (15,85%), o Unidas Podemos (extrema-esquerda) 35 (11,95%) e o Vox 24 (10,2%).

No discurso de vitória, o líder do PSOE, Pedro Sánchez, expressou que a vitória do partido socialista nas eleições legislativas espanholas transmitiu a "mensagem perentória" à Europa e ao mundo "que se pode ganhar ao autoritarismo".

Discursando da sede do PSOE, em Madrid, Pedro Sánchez disse que os resultados mostraram que o partido "não é muleta" do Partido Popular (PP, de direita). Sánchez prometeu um Governo "pró-Europa, para fortalecer a Europa", e construir "uma Espanha plural", assumindo como prioridades o combate à injustiça social e à corrupção.

Enquanto partido mais votado, o PSOE vai tentar encontrar o apoio de outros para tentar alcançar uma maioria absoluta de 175 mais um num total de 350 deputados.

A tarefa não vai ser fácil, mesmo que à partida conte com o apoio do Unidas Podemos, o seu principal parceiro que o apoiou no parlamento desde junho de 2 018, quando conseguiu afastar o Governo do PP.

O PSOE terá também que se entender com os partidos independentistas catalães – Esquerda Republicana da Catalunha com 15 deputados e Juntos pela Catalunha com sete – os mesmos que ajudaram Pedro Sánchez a chegar a primeiro-ministro, mas que em fevereiro foram os principais responsáveis pela sua queda e pela marcação das eleições.



Notícias relacionadas