Grécia encontra "evidência de atos criminosos" em incêndios

O vice-ministro da Proteção aos Cidadãos Gregos, Nikos Toskas, disse que há uma indicação séria de que "atos criminosos estariam por trás do incêndio devastador".

Grécia encontra "evidência de atos criminosos" em incêndios

O Vice-Ministro grego Nikos Toskas em relação ao desastre em seu país, disse:

"Há sérios indícios de que os atos criminosos estariam por trás dos incêndios devastadores de acordo com as investigações".

Toskas e o porta-voz do governo grego Dimitris Tzanakopoulos, juntamente com chefes dos bombeiros e policiais, realizaram uma conferência de imprensa sobre o desastre que deixou mais de 80 mortos.

Toskas disse que eles fazem sérios esforços para encontrar os responsáveis pelas falhas.

"Não consigo encontrar grandes erros operacionais. Nós temos uma perda significativa. Mas foi muito difícil controlar a situação com tantas perdas e dificuldades", afirmou.

Toskas disse que apresentou sua carta missão de primeiro-ministro Alexis Tsipras e, por razões de consciência, apresentou sua renúncia ao primeiro-ministro, que porém não foi aceita.

Por sua parte, o porta-voz do Governo da Grécia, Dimitris Tzanakopoulos, acrescentou que todos os dados sobre as causas do incêndio, incluindo imagens de satélite foram recolhidos, e que o arquivo foi enviado para as unidades relacionadas com a ordem do primeiro-ministro.

Ele observou que pediu aos aliados para enviar imagens de satélite do lugar e momento do incêndio, e que os dados de satélite foram confirmados por unidades e começou a investigação.

O porta-voz, sobre a evacuação de pessoas, disse:

"Às vezes as realidades superam as oportunidades humanas. Uma evacuação pode durar de 5 a 6 horas, mas o incêndio durou apenas uma hora e meia."

Por sua parte, o presidente do Corpo de Bombeiros, Sotiris Terzoudis, sublinhando que o vento soprava 100 e 120 quilômetros de velocidade quando o fogo começou, disse:

"Todas as equipes aéreas participaram de atividades para abafar o fogo, mas o fogo só durou uma hora e meia".



Notícias relacionadas