França não abrirá centros de processamento de imigrantes

O presidente francês enfatizou que os resgates em alto mar são de responsabilidade do país mais próximo dos imigrantes.

França não abrirá centros de processamento de imigrantes

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou que a França não abrirá um centro de processamento de imigrantes, proposto por ele na semana passada, para encontrar uma solução para o problema dos imigrantes.

Macron fez esta declaração aos jornalistas no final da Cúpula de Líderes da União Européia, realizada com a participação dos 28 países membros do bloco, em Bruxelas.

Macron disse que eles abordaram a questão do "centro de processamento de imigrantes" durante a visita do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, a Paris, e lembrou que o Tratado de Dublin obriga o acolhimento do barco de imigrantes no porto próximo e mais seguro.

"Os centros de processamento de imigrantes não serão abertos porque a França não é o país de primeira entrada na União Européia. Mas a França mostrará solidariedade e dará apoio financeiro aos países onde esses centros serão abertos", afirmou.

O presidente francês disse que o problema da imigração na Itália não está relacionado com a chegada de imigrantes, e que o número de imigrantes na Itália caiu 80% em relação ao ano passado, acrescentando que há 600.000 imigrantes clandestinos nas ruas italianas.

Macron disse que essas pessoas estão encurraladas nos territórios italianos e que uma solução ainda não foi encontrada.

Enquanto isso, o comunicado final da Cúpula de Líderes da União Européia informou que o bloco continuará a ajudar países como a Itália, por onde os imigrantes chegam, e que será investigado com países terceiros a questão de acolher imigrantes resgatados do mar em centros de processamento.

A declaração também informou que todos os países devem assumir a responsabilidade pelos imigrantes resgatados nos territórios da União Européia.



Notícias relacionadas