Inglaterra continua a vender armas para Israel

O valor das armas aprovadas pela Inglaterra chegou a 14 milhões de libras desde 30 de março de 2018, data do início das manifestações na fronteira com a Faixa de Gaza.

Inglaterra continua a vender armas para Israel

De 30 de março de 2018, quando manifestações começaram na fronteira com Gaza, o valor de armas aprovados pela Inglaterra situou-se em 14 milhões de libras (103 milhões 465 mil liras turcas).

De acordo com os dados da Campanha contra o Comércio de Armas (CAAT) compilada pelos dados do Ministério do Comércio Internacional, entre as armas vendidas estavam também munições, peças de rifles de assalto e outros tipos de armas, bem como equipamento de radar militar, tecnologia de mísseis e equipamento de visão noturna.

O porta-voz da CAAT, Andrew Smith, disse que esta situação é da maior importância para demonstrar que a Inglaterra continua vendendo para Israel, embora seja desconhecido que as armas sejam usadas contra os manifestantes.

Smith disse que a Inglaterra continua a armar e apoiar o exército israelense, o que torna as armas britânicas mais propensas a desempenhar um papel destrutivo no futuro.

"Se os tiros na fronteira não impediram a venda de armas, se os atentados de 2014 e 2008 não cessarem as vendas, o que mais é necessário para isso?", Perguntou.

Smith argumentou que a Inglaterra demonstrou que "continuará com a venda de armas, não importa quantas atrocidades sejam aplicadas ao povo palestino".

Mais de 200 palestinos foram mortos por soldados israelenses nas manifestações da "Grande Marcha de Retorno", que continua em 30 de março de 2018, na fronteira com Gaza.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU declarou que o assassinato de palestinos por Israel durante os protestos na fronteira de Gaza pode ser considerado um crime de guerra.



Notícias relacionadas