China salienta que as negociações com os EUA devem basear-se no "respeito mútuo"

O porta-voz da chancelaria chinesa, Lu Kang, falou da declaração de que os EUA não estão dispostos a entrar em um acordo comercial com a China.

China salienta que as negociações com os EUA devem basear-se no "respeito mútuo"

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang , avaliou a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, que disse durante sua visita ao Japão que os Estados Unidos não estão dispostos a entrar em um acordo comercial com a China.

"Desde o início, dizemos que as diferenças entre os dois países devem ser resolvidas por meio de consultas e negociações amigáveis", disse Lu Kang à coletiva de imprensa na capital Pequim.

Ele disse que os EUA fizeram declarações por algum tempo de que os dois países estão, às vezes, muito próximos do acordo, mas às vezes têm dificuldades em chegar a um acordo.

"Insistimos que as negociações comerciais entre a China e os EUA devem ser resolvidas com base no respeito e nos benefícios mútuos", disse o porta-voz.

Trump disse em Tóquio que não está disposto a negociar com a China, mas mantém aberta a possibilidade de que os dois países assinem um acordo algum dia.

"Eles querem chegar a um acordo. Nós não estamos dispostos", ressaltou.

Trump também disse que espera se reunir com seu colega chinês, Xi Jinping , na cúpula do G20, que será realizada no próximo mês no Japão.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou em 8 de maio que elevou as tarifas impostas aos produtos chineses de 200 bilhões de dólares de 10% para 25%. Diante dessa decisão, a China anunciou tarifas entre 5 e 25 por cento para produtos americanos de 60 bilhões de dólares.

As tarifas entrarão em vigor em 1º de junho.

A guerra comercial entre os EUA e a China , que durou um ano, provocou tarifas adicionais de um bilhão de dólares entre os produtos dos dois países e se estendeu às empresas de tecnologia.



Notícias relacionadas