Ryanair cobrará pela bagagem de mão a partir de novembro

A companhia aérea irlandesa Ryanair exigirá que os clientes paguem entre 8 e 10 euros ou libras pelas malas de até 10 kg que entram na cabine

Ryanair cobrará pela bagagem de mão a partir de novembro

Madri (EFE) - A companhia aérea irlandesa Ryanair anunciou uma nova política de bagagem a bordo que, a partir de 1º de novembro, exige que os clientes paguem entre 8 e 10 euros ou libras pelas malas de até 10 kg que entram na cabine, algo que até agora estava livre.

Conforme explicado pela empresa em seu site, essa medida visa reduzir os atrasos nos voos e diminuir o custo da bagagem despachada.

Anteriormente, todos os clientes não prioritários podiam levar uma mala de mão e uma mala a bordo sem custo adicional. No entanto, as malas tinham que ser marcadas na porta do avião para depois serem transportadas no armazém de graça.

A Ryanair indicou que esta medida exigia a rotulagem de até 120 malas que causavam atrasos nos prazos de entrega de 25 minutos. A partir de novembro, os clientes não prioritários só poderão levar uma mala de viagem grátis na cabine e apenas os prioritários poderão levar duas malas sem custo adicional, incluindo uma mala.

Especificamente, os clientes não prioritários pagarão pela mala de até 10 kg um preço de 8 euros ou libras, se o adquirirem com a sua reserva, enquanto o custo será de 10 euros ou libras se a mala for adicionada após a reserva e até 40 minutos antes da hora de partida programada do voo.

A empresa também anunciou que os clientes terão mais capacidade para enviar líquidos na mala de até 10 kg.

A nova política de bagagem será aplicada a todas as viagens após 1 de novembro, conforme indicado pela Ryanair, que especifica que o serviço prioritário tem um limite de 95 clientes por voo. EFE



Notícias relacionadas