A última medida de Maduro para combater a crise econômica divide a sociedade venezuelana

Censo de todos os veículos no país para racionalizar o consumo de gasolina e evitar contrabando para outros países

A última medida de Maduro para combater a crise econômica divide a sociedade venezuelana

A Venezuela tem as maiores reservas de petróleo do planeta e seu governo afirma ter a gasolina mais barata do mundo. Em Caracas, você pode comprar 28 mil litros de gasolina por um único dólar.

O preço é tão baixo que torna o contrabando de combustível para o Brasil e a Colômbia um negócio lucrativo. Para pará-lo, o governo venezuelano pretende recensear todos os veículos do país durante o fim de semana para controlar o consumo dos cidadãos e, assim, combater o contrabando. No entanto, muitos venezuelanos veem nessa medida, um novo mecanismo de controle do governo para racionar o consumo e monitorar os cidadãos, já que essa nova medida envolve a compra de gás através do cartão do país e afetará diretamente a parte da população que não o tem, seja porque não se identifica com o Governo ou porque não exige a ajuda social que oferece. Esta nova medida para superar a crise contribui para outra reconvenção monetária como um princípio  estavam indo para remover três zeros do bolívar, mas a situação é tão ruim que, no final, cortaram cinco horas.

O governo venezuelano está contra as cordas e foi forçado a descriminalizar a livre troca de moeda sobre a qual exerceu o controle por 15 anos. Os venezuelanos estão chegando ao limite de sua paciência, o preço das fronteiras de alimentos no absurdo e agora também sofrem numerosos cortes de energia que em algumas áreas do país chegam a até três dias. A situação econômica é tão precária que levou o presidente a uma situação sem precedentes.

Maduro reconheceu esta semana que a culpa também é dele. Segundo a previsão do Fundo Monetário Internacional, a inflação na Venezuela chegará a um milhão por cento este ano.



Notícias relacionadas