Governo dos EUA aprova testes da Amazon em programa de drones

A autoridade de aviação civil dos EUA (FAA) dá autorização à Amazon para testar a entrega de encomendas com “drones” mas com restrições.

Governo dos EUA aprova testes da Amazon em programa de drones

As ações da Amazon subiram quando a autoridade da aviação americana anunciou que autorizava o início dos testes com pequenos aviões não tripulados (drones) para uso comercial impondo uma longa lista de restrições.

Em dezembro de 2013 a Amazon chamou a atenção do mundo ao lançar um programa de entrega de encomendas com drones que, hipoteticamente, poderiam entregar encomendas diretamente dos armazéns da Amazon até à porta do cliente.

Apesar de ser considerado como um golpe publicitário na época, a Amazon tem desenvolvido o projeto. Outras empresas tecnológicas, como a Google, têm equipas a trabalhar em projetos semelhantes.

O uso comercial de drones tem, no entanto, enfrentado uma serie de barreiras por regulações de leis federais.

Este novo certificado emitido pela FAA é, por isso uma vitória para a Amazon, mesmo que o governo mantenha a “trela curta” nestes testes.

Por exemplo, quem estiver a controlar o drone tem que possuir, pelo menos, uma licensa de piloto privado, e os testes nunca poderão aproximar-se à escala que a Amazon deseja para o seu sistema de entregas aéreas.

“Segundo o certificado, todas as operações aéreas deverão ser realizadas a 400 pés ou abaixo durante o dia em condições meteorológicas visuais”, informou a FAA numa declaração. “O UAS (sistema de aeronave sem piloto) deverá estar sempre dentro do campo visual do piloto e observador".

A FAA obriga a Amazon a realizar todos os testes dentro de propriedade privada na zona rural de Washington. A companhia deverá manter contacto constante com o regulador.

 “ O certificado obriga a Amazon a fornecer dados mensais à FAA” continua a agência. “A companhia deverá reportar o número de voos, tempos de serviço dos pilotos por voo, avarias incomuns de hardware e software, quaisquer desvios das instruções dos controladores de tráfego aéreo, e qualquer perda inesperada das ligações de comunicação”.

Na sessão, depois da declaração da FAA, as ações da Amazon cresceram 5 porcento, o que prova que Wall Street vê este projeto com bons olhos.


Etiquetas:

Notícias relacionadas