Protestos na Colômbia contra as reformas econômicas de Iván Duque são retomados

86 manifestantes foram presos durante os protestos do Paro Nacional contra o governo do presidente Iván Duque.

Protestos na Colômbia contra as reformas econômicas de Iván Duque são retomados

A Central Unitária dos Trabalhadores da Colômbia (CUT), o maior sindicato da Colômbia que convocou greves pela quarta vez desde 21 de novembro de 2019. Foram organizadas marchas e protestos contra o governo em muitas cidades, incluindo a capital Bogotá, Medellín, Cal, Barranquilla e Cartagena.

As manifestações feitas com a participação de milhares de colombianos, que desejam expressar sua insatisfação com as alegações de que o acordo de paz com as FARC e a continuação dos assassinatos dos líderes sociais, foram concluídos sem incidentes, terminaram sem incidentes.

Mas, nas maiores cidades e na capital Bogotá, houve tumultos entre agentes de segurança e manifestantes cuja maioria era de estudantes.

A polícia entrou em confronto com grupos de manifestantes que atiraram pedras e causaram destruição, respondendo com gás lacrimogêneo, granadas impressionantes e jatos d'água.

A prefeita de Bogotá, Claudia López , anunciou que só interveio em quatro dos protestos que ocorreram em toda a cidade.

Ela informou que pelo menos 1 polícia e 7 civis ficaram feridos nos confrontos, 62 pessoas foram presas enquanto 37 ônibus foram atacados e 15 estações de Metrobús foram danificadas.



Notícias relacionadas