Presidente Bolsonaro visita a Argentina

A situação na Venezuela foi um dos tópicos mais importantes da agenda entre os presidentes dos dois maiores países da América do Sul.

Presidente Bolsonaro visita a Argentina

Depois de Davos, Washington, Santiago e Jerusalém, o presidente Jair Bolsonaro fez ontem aquela que era, por tradição, a primeira viagem dos chefes de estado do Brasil: a ao presidente da Argentina, em Buenos Aires.

Esta será a primeira vez que Bolsonaro viajará até à capital argentina, uma cidade que, embora vizinha, ainda não conhece.

Da agenda do encontro entre Bolsonaro e Mauricio Macri, o presidente argentino, constaram acordos bilaterais e um tratado Mercosul-União Europeia, mas também as eleições na Argentina e a situação na Venezuela.

A situação na Venezuela foi um dos tópicos mais importantes da agenda entre os presidentes dos dois maiores países da América do Sul, com Bolsonaro a colocar pressão sobre Macri para dê mais importância ao que se passa em Caracas. O Brasil e a Argentina fazem parte do Grupo de Lima, composto por 14 países latino-americanos que debatem a crise na Venezuela.

Mas nem só a situação na Venezuela preocupa Bolsonaro. O presidente brasileiro disse no mês passado que está mais apreensivo em relação à situação política e eleitoral na Argentina do que com a crise de Caracas. Em causa, a liderança nas sondagens de Alberto Fernández, cuja candidata a vice-presidente é a ex-titular do cargo Cristina Kirchner, para as presidenciais de outubro.

"Argentina e Brasil não podem voltar para a corrupção do passado, uma corrupção desenfreada pela busca do poder", disse Bolsonaro, cuja visita a Buenos Aires está a ser interpretada também como uma tentativa de ajudar Macri nessas eleições, à imagem do que fizera em Israel com outro aliado, Benjamin Netanyahu, às vésperas das eleições locais, ou até nos Estados Unidos, quando afirmou estar seguro de que a sua referência, Donald Trump, conseguiria reeleger-se.

"A economia é importante? Sim, e eles [os argentinos] podem contar com o apoio do Brasil no que for necessário para que possamos fazer o melhor para o povo argentino através de uma economia saudável como a que estamos tendo com Macri", afirmou ainda Bolsonaro ao La Nación.

Na comitiva presidencial de Bolsonaro durante a visita a Argentina fizeram parte a primeira dama, Michelle Bolsonaro, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o ministro de Minas e Energia, Bento de Albuquerque, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, um senador e um deputado. Bolsonaro regressa hoje, sexta feira, ao Brasil.


Etiquetas: Brasil , Argentina , Bolsonaro , Macri

Notícias relacionadas