Assembleia Nacional Constituinte aprova a retirada da imunidade de Guaidó

A moção para iniciar o procedimento legal para revogar a imunidade a Guaidó foi ratificada com o apoio de todos os parlamentares.

Assembleia Nacional Constituinte aprova a retirada da imunidade de Guaidó

O processo legal iniciado contra o autoproclamado "presidente interino" na Venezuela, Juan Guaidó, que recebeu o apoio de muitos estados ocidentais e latino-americanos - exclusivamente dos EUA - continua, trabalhando para revogar o governo com os movimentos de rua.

A Assembleia Nacional Constituinte (ANC), o único órgão legislativo, se reuniu ontem presidida por Diosdado Cabello para discutir a petição apresentada pelo presidente do Supremo Tribunal, Maikel Moreno.

Foi ratificada com o apoio de todos os parlamentares a moção para iniciar o procedimento legal para revogar a imunidade a Guaidó por "ter viajado para o exterior apesar da restrição de deixar o país".

O ANC está programado para iniciar o processo legal para processá-lo.

Guaidó, que se proclamou presidente da Venezuela após um juramento em um comício em Caracas em janeiro, foi à Colômbia um dia antes da tentativa de introduzir equipes de "ajuda humanitária" dos EUA na Venezuela.

Juan Guaidó disse que ele foi para o país vizinho com o apoio do exército venezuelano. De fato, a possibilidade de que ele pudesse ter cruzado o caminho controlado por grupos armados ilegais colombianos está sendo considerada.

Depois de parar no Brasil, Paraguai, Argentina e Equador, Guiadó retornou à Venezuela sem nenhum problema em 4 de março.



Notícias relacionadas