ONU acusa a Venezuela de “maltratar e torturar” milhares de manifestantes

A ONUdenunciou as forças de segurança da Venezuela, por maltratarem de forma sistemática e generalizada milhares de manifestantes e por terem detido de forma arbitrária pelo menos 5 mil pessoas.

ONU acusa a Venezuela de “maltratar e torturar” milhares de manifestantes

O Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, apresentou um relatório preliminar sobre a situação na Venezuela. A informação contida no relatório foi recolhida ao longo de 135 entrevistas a testemunhas, a recolhida à distância através de Genebra e do Panamá, devido à recusa do governo em permitir que esta entidade entrasse na Venezuela.

O documento indica que a Guarda Nacional Bolivariana, a Polícia Nacional e os corpos de polícia locais detiveram milhares de pessoas arbitrariamente e que “muitas delas foram vítimas de maus tratos e até de tortura”. O relatório indica ainda que não existem indícios de que a situação vá melhorar.

Zeid Ra´ad al Hussein, o comissário para os direitos humanos da ONU, indica ainda que “A responsabilidade pelas violações dos direitos humanos que registámos, vai até aos mais altos níveis do governo.”

Entre as pessoas que deram o seu testemunho a este relatório da ONU, contam-se vítimas que desempenham funções como médicos, advogados, jornalistas e paramédicos. Segundo estas testemunhas, as forças de segurança disparam tiros sem aviso prévio e lançam gás lacrimogéneo contra os manifestantes anti-governo. Há também relatos de situações em que a polícia disparou porcas e parafusos sobre os manifestantes.



Notícias relacionadas