Turquia e Gâmbia prometem cooperação no empoderamento das mulheres

Os 2 países assinaram um memorando de entendimento para combater a discriminação e a violência contra as mulheres.

Turquia e Gâmbia prometem cooperação no empoderamento das mulheres

A Turquia prometeu terça-feira para aumentar a cooperação com a Gâmbia para empoderar as mulheres, afirmou na terça-feira o ministro da Família do país.


Fatma Betul Sayan Kaya e a ministra das Relações com Mulheres da Gâmbia, Fatoumata Tambajang, assinaram um memorando de entendimento para aumentar a cooperação entre os dois ministérios.

O memorando visa combater a discriminação e a violência contra as mulheres e aumentar a sua participação na força de trabalho.

Kaya disse que chamou o memorando de "um novo começo" em termos de compartilhamento de experiências entre os dois países.

Tambajang sublinhou o papel das mulheres e das crianças, que representam 1,7 milhões da população total do país, em mudanças pioneiras na Gâmbia.

"Nosso objetivo é adotar as melhores práticas para empoderar mulheres e meninas", disse ela.

O ministro da Gâmbia elogiou o apoio do Presidente Recep Tayyip Erdogan aos países africanos e à União Africana.

Kaya agradeceu a Gâmbia por seu apoio à Turquia na luta contra a Organização Terrorista Fetullahista (FETO), responsável por orquestrar a tentativa fracassada de golpe de Estado de julho passado.

"A Gâmbia é um dos países da África, que deu o maior apoio ao nosso país em sua luta contra a FETÖ".

Respondendo a ela, Tambajang disse: "Nós certamente daremos o apoio que podemos [à Turquia] em sua luta contra a FETÖ porque o terrorismo é uma doença. Se você não tomar as medidas necessárias, também fará você ficar doente um dia".

De acordo com o governo turco, a FETÖ e seu líder com base nos Estados Unidos, Fetullah Gulen, orquestraram a tentativa de golpe de 15 de julho de 2016, que deixou 250 pessoas martirizadas e quase 2.200 feridas.

Ancara também acusa a FETÖ de estar por trás de uma longa campanha para derrubar o estado através da infiltração de instituições turcas, particularmente militares, policiais e judiciais.



Notícias relacionadas