Os turcomenos, um dos atores importantes na Síria

O principal objetivo dos turcomenos da Síria é garantir a obtenção para si próprios de um estatuto jurídico, que garanta a sua existência na nova constituição que vai escrita. A análise do Dr. Cemil Dogaç Ipek.

Os turcomenos, um dos atores importantes na Síria

Nos últimos dias, os turcomenos da Síria reuniram-se num importante congresso, na zona de Çobanbey na Síria. No nosso programa desta semana, vamos analisar este congresso e os seus reflexos na política externa da Turquia. Já a seguir, apresentamos a análise sobre este assunto do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin.

A “Luta pela Honra e Liberdade” que os turcomenos começaram na Síria a partir de 2 011, entrou numa nova fase. A mudança dos equilíbrios políticos e militares a nível interno na Síria, no contexto dos equilíbrios entre as forças globais, fez com que os turcomenos da Síria se tornassem um ator importante no país. Atualmente, os turcomenos da Síria e a Assembleia Turcomena da Síria – a legítima representante dos turcomenos do país – atua tanto a nível político como diplomático, e luta para estar à mesa das negociações nas conversações para encontrar uma solução política, durante o processo que se seguirá, para proteger os interesses do povo turcomeno e garantir o seu futuro.

O objetivo mais importante dos turcomenos da Síria, tanto nas plataformas regionais como nas plataformas globais, e no âmbito do princípio da proteção da integridade territorial da Síria, é assegurar que os turcomenos obtenham um estatuto jurídico que reconhece, protege e garantirá a sua existência, na nova constituição que será escrita. Neste ponto, penso que a exigência principal será obter o estatuto de “povo constituinte” aos turcomenos da Síria.

Nos últimos dias, os turcomenos da Síria partilharam com a opinião pública a sua posição, de estarem abertos ao diálogo político com todas as partes que possam dar apoio à estabilidade política na Síria, no processo que se seguirá para poderem alcançar os seus objetivos. A única linha vermelha dos turcomenos da Síria sobre este assunto, é que na plataforma de negociações não tomem parte organizações terroristas que representem uma ameaça para a segurança da Síria e da Turquia. Neste sentido, seria correto não convidar para as plataformas que irão definir o futuro da Síria os atores radicais religiosos e étnicos, que atuaram contra a integridade territorial da Síria.

Os turcomenos declararam que estão contra todo o tipo de estruturas ou autoridades que dividam o país, ao longo do processo que se seguirá. Esta é uma atitude correta, tendo em conta que pudemos ver no Iraque os resultados negativos da concessão de estatutos federais ou autónomos, a alguns grupos étnicos e radicais que prejudicaram a integridade territorial do país. Este foi o principal motivo que permitiu ao DAESH implantar-se no Iraque.

Os turcomenos não têm qualquer exigência em termos da criação para si próprios de uma região federal ou autónoma, porque consideram que isso implicaria a divisão do país. Os turcomenos da Síria e os turcomenos em geral, defendem um modelo estatal unitário em que todos os povos têm direitos e liberdades básicas.

Por outro lado, nas zonas libertadas do terrorismo na Síria com o apoio da Turquia, a vida regressou rapidamente ao normal e a sociedade civil está cada vez mais forte.Vimos um exemplo disto mesmo nos últimos dias.

Os turcomenos da Síria, sob a liderança da Assembleia Turcomena da Síria, reuniu-se num congresso na cidade síria de Çobanbey. Neste congresso participaram cerca de 250 delegados, que representaram os turcomenos de Alepo, Idlib, Bayir-Budjak, Al Raqqa, Hama, Homs, Tartus, Der”a, Golã e Damasco.

Os turcomenos que vivem na Síria, usaram várias bandeiras ao longo do tempo. O povo turcomeno desde há algum tempo que indicou, por várias formas, que quer estar fortemente representado no seio da oposição síria. A Assembleia Turcomena da Síria, o orgão que reúne numa só entidade os turcomenos da Síria, organizou este congresso para receber forma democrática os pedidos dos seus representados.

Neste congresso participaram membros da Assembleia Turcomena da Síria, líderes de opinião da sociedade turcomena da Síria, comandantes do Grupo Militar Turcomeno da Síria, os líderes da sociedade civil turca e os representantes das localidades turcomenas da Síria.

Na votação realizada para escolher uma das nove bandeiras propostas, a maioria dos votos foi para aquela que será a nova bandeira dos turcomenos da Síria. O azul na bandeira simboliza o ser turco e o vermelho representa o sangue dos mártires. O branco na bandeira simboliza os valores humanos, enquanto que a lua e a estrela são símbolos do islão. Depois deste congresso, espera-se que o sinal de tranquilidade e segurança na região será dado pelo aumento das rondas da Turquia na zona.

Os turcomenos são um dos povos mais antigos que vivem em território sírio, e habitam naquela região desdeo século VII. Os turcomenos vivem ao longo de uma ampla região em território sírio. Existe população turcomena em Alepo, Latakia, Idlib (Bayir-Budjak), Homs, Hama, Tartus, Al-Raqqa, Dar”a, Damasco e Golã. Os turcomenos da Síria desde há séculos que lutam muito seriamente para protegerem as terras onde vivem e a sua identidade.

Os turcomenos existem na Síria desde há séculos e são um povo diferente da restante população síria. Há cerca de 1,5 milhões de turcomenos que falam turco na Síria. Se a estes juntarmos os turcomenos que deixaram de saber falar turco, a população turcomena na Síria chega aos 3 milhões de pessoas.

Depois dos árabes sírios, os turcomenos são o segundo maior grupo étnico com mais influência na Síria. Os turcomenos são uma das maiores vítimas do processo de conflito na Síria. Sendo uma sociedade que nunca teve contacto com organizações étnicas e religiosas terroristas, e que sempre defendeu a integridade territorial da Síria, os turcomenos da Síria querem agora defender os seus próprios direitos à mesa das negociações.

Hoje em dia, e no ponto a que chegámos, se forem dados aos turcomenos os direitos que lhes faltam, essa situação será um passo muito importante para o estabelecimento de uma paz permanente na Síria. Além disso, esta situação permitirá também integrar os turcomenos na Síria democrática que será criada no futuro próximo, e poderá desempenhar uma função facilitadora nas relações entre uma Síria democrática e a República da Turquia, bem como com o mundo turco.

Esta foi a opinião sobre este tema do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin


Etiquetas: turcomenos , Síria

Notícias relacionadas