O Congresso Europeu dos Sábios Muçulmanos

Espera-se que os muçulmanos saibam mais sobre a sua agenda e se expressem a si mesmos em voz alta. A análise do Prof. Dr. Kudret Bulbul, decano da Faculdade de Ciências Políticas da Universidade Yildirim Beyazit em Ancara.

O Congresso Europeu dos Sábios Muçulmanos

Perspetiva Global 46

No programa da semana passada analisámos o “islão europeu” e referimos alguns autores e estados ocidentais que abordam esta questão por si mesma e outros que analisam esta questão por uma perspetiva de segurança. Estas questões, que são consideradas como sendo um problema, estão a ser discutidas nos conselhos criados como o Conselho Islâmico. De facto, a estrutura, os membros e as opiniões deste conselho e de outros semelhantes, não podem ser considerados um problema e devem ser seguidos pelos muçulmanos. Se assim for, espera-se que os muçulmanos saibam mais sobre a sua agenda e se expressem a si mesmos em voz alta.

Sem dúvida, há muitos estudos levados a cabo por muçulmanos que vivem no Ocidente, com o objetivo de dominar as suas agendas. No programa desta semana, quero falar apenas do Congresso dos Sábios Muçulmanos que é muito importante para mim.

Congressos Anuais

Estão a acontecer grandes migrações de caráter humanitário, como no caso da Síria, devido à perseguição causada pelos processos de globalização e pelos objetivos imperialistas. Neste processo, combinam-se cada vez mais os diferentes estilos de vida, que no passado eram vistos como um elemento folclórico de países longínquos. Esta situação de combinação de costumes causa incertezas, preocupação, medo e reações de certa medida. Neste tipo de situações, o facto dos imigrantes não se expressarem mais a si mesmos, será muito útil para reduzir a preocupação que se sente em relação a eles. Neste contexto, os sábios muçulmanos que vivem na Europa podem organizar congressos ordinários anuais, todos os anos, em capitais europeias como Paris, Londres, Berlim e Bruxelas.

Estes congressos podem discutir os temas úteis para que os muçulmanos se possam expressar melhor a si próprios, e também discutir os temas mais importantes da agenda da Europa e da humanidade. Neste contexto, os primeiros temas que ocorrem às pessoas, são o terrorismo, o racismo, a islamofobia, a liberdade de expressão, a educação, a família, a juventude, a convivência, o consumo de drogas e os assassinatos nas escolas. É muito importante juntar nestes congressos a participação dos ideólogos mais destacados e relacionados com estes temas, bem como de autarcas locais e administradores das cidades onde se celebram estes congressos, funcionários públicos desses países e de sábios muçulmanos. Se os problemas são comuns, a procura por uma solução em conjunto com pessoas de diferentes partes do mundo, poderá produzir resultados muito mais relevantes. O facto do congresso publicar todos os anos um comunicado, é muito importante tanto para revelar os problemas, como para encontrar uma solução para esses problemas.

Porquê os sábios muçulmanos?

Sem dúvida, este tipo de congressos devem ser considerados relevantes para os clérigos muçulmanos, para os representantes de organizações não governamentais, homens de negócios e políticos. Também será muito útil realizar congressos entre eles.  No entanto, os sábios numa sociedade são aqueles que podem estabelecer diálogo facilmente com diferentes partes e em lugares comuns. Por outro lado, os temas discutidos nos congressos têm muitas dimensões religiosas, sociológicas, psicológicas, políticas, económicas e culturais. Por isso, os congressos devem ser congressos de sábios e neles devem participar os clérigos, os representantes de organizações não governamentais, homens de negócios e políticos de vários níveis.

As possíveis contribuições do congresso

Este tipo de congressos, realizado com a participação dos sábios muçulmanos, funcionários de topo do estado e por várias partes relacionadas, poderá conduzir a resultados positivos em muitos aspetos.

Na questão das comunidades muçulmanas: Os sábios muçulmanos que vivem na Europa, infelizmente não podem reunir-se numa plataforma comum ou mais frequentemente. A maior parte dos encontros ocorrem em plataformas como organizações regionais e religiosas. Apesar dos problemas na Europa serem comuns, as soluções estão a ser procuradas em diferentes tradições, nas experiências de cada país e através de organizações regionais. O congresso, antes de mais, dará aos sábios muçulmanos a oportunidade para discutirem em detalhe os seus problemas.

Os muçulmanos vivem num estado multi-partidário a nível da sua pertença ideológica, étnica, sectária, secular e comunitária. Alguns querem levar consigo as suas soluções para a Europa, os Estados Unidos e Austrália. Este tipo de congressos poderá produzir resultados significativos, para desenvolver um ponto de vista e uma abordagem comuns. Por outro lado, este tipo de congressos ou plataformas também contribuirá para que os nomes com autorização para falar em nome dos muçulmanos, se possam destacar mais. O congresso irá também enfraquecer a procura pela busca de soluções fora do contexto islâmico, ao dar a oportunidade aos sábios muçulmanos de verem os problemas e serem eles a apresentar as soluções.

Na questão dos estados relacionados: Alguns dos estados que albergam mais muçulmanos nos seus países, abordam os temas relacionados com os muçulmanos com a intenção de entender e criar soluções, mas outros estados fazem o mesmo com a intenção de assimilar e manipular. Este tipo de congressos poderá ajudar os estados que querem encontrar soluções, com boas intenções, a observar de muito perto as oportunidades e os problemas derivados da convivência. De forma consciente ou inadvertida, o congresso impedirá as consequências de descrever os problemas e criar soluções que não são adotadas pelos muçulmanos, em nome dos muçulmanos.

O aspeto da sociedade onde se vive: Os atores de fora do estado, as organizações não governamentais, os sábios e as pessoas dos estados ocidentais, têm naturalmente preocupações acerca das sociedades muçulmanas, devido ao facto de não terem nenhuma experiência de convivência com a diferença nas suas vidas. O facto dos sábios muçulmanos expressarem as suas opiniões, ideias e pontos de vista sobre os desenvolvimentos atuais, responderá de certa forma a estas preocupações. Se os sábios muçulmanos não responderem diretamente às preocupações sobre eles, estas preocupações serão respondidas de forma absoluta e muitas vezes errada por outras pessoas.

Este tipo de congressos pode criar práticas e conceitos em todas as regiões e países onde os muçulmanos representam uma minoria da população. Neste contexto, poderão ser organizados congressos de sábios muçulmanos em África, nos Balcãs, Austrália e outros locais. Alguns congressos organizados nos Estados Unidos funcionam e também contribuem para este processo, apesar de não terem um sentido completo.

Esta foi a análise sobre este tema do Prof. Dr. Kudret Bulbul, decano da Faculdade de Ciências Políticas da Universidade Yildirim Beyazit em Ancara



Notícias relacionadas