O panorama pós-eleitoral da Administração Regional Curda do Iraque

Apesar de todas as acusações, as eleições na Administração Regional Curda do Iraque decorreram no geral com sucesso . A análise de Can Acun, investigador da Fundação de Estudos Políticos, Económicos e Sociais (SETA).

O panorama pós-eleitoral da Administração Regional Curda do Iraque

Mais de 3 milhões de eleitores inscritos na Administração Regional Curda do Iraque (IKBY na sua sigla em turco), foram até às urnas no passado domingo, dia 30 de setembro, para votar nas eleições gerais. A taxa de participação nestas eleições parlamentares foi de 57%. Apesar do processo eleitoral ter decorrido de forma pacífica e tranquila, a presença de elementos armados e dos peshmerga nalgumas regiões deu origem a graves disputas.

Enquanto a União Patriótica do Curdistão (KYB) e o Partido Democrático do Curdistão (KDP) se acusam um ao outro de manipular os resultados da eleição, o Movimento para a Mudança (Goran) e o Movimento da Nova Geração culpam o KYB em particular pela manipulação dos resultados eleitorais.

Apesar de todas as acusações, as eleições na Administração Regional Curda do Iraque decorreram no geral com sucesso. O porta voz do ministério turco dos Negócios Estrangeiros, Hami Aksoy, fez também uma declaração nesse sentido: “estamos muito contentes pela realização pacífica de eleições parlamentares na Administração Regional Curda do Iraque. Esperamos que os resultados eleitorais favoreçam a proteção da unidade, integridade e estabilidade no Iraque”.

Segundo os resultados eleitorais não oficiais, o KDP obteve um grande êxito, ao conseguir 45% dos votos. O KYB perdeu claramente estas eleições, ao receber apenas 19% dos votos. O Movimento para a Mudança (Goran) obteve 12% e o Movimento da Nova Geração ficou-se pelos 5%. A Aliança de Sardam (Modern), obteve apenas 1% dos votos.

Ainda de acordo com os resultados não oficiais, o KDP obteve votos suficientes para formar governo aliando-se a um pequeno partido, deixando de fora o KYB. Enquanto continuava a decorrer a contagem dos votos, em paralelo estava-se também a eleger o presidente do parlamento do Iraque. Os candidatos presidenciais eleitos pelos curdos de acordo com a Constituição do Iraque, deram origem a uma competição e a uma crise entre o KYB e o KDP, que não chegaram a acordo sobre a apresentação de um candidato conjunto para este posto. O KDP e o KYB apresentaram como candidatos à presidência do parlamento iraquiano Fuad Husein e Barham Salih, respetivamente. A segunda ronda da votação secreta do parlamento iraquiano contou com a participação de 272 dos 329 deputados. Barham Salih foi eleito como o 4º presidente do parlamento iraquiano, ao obter 219 votos. Fuad Husein obteve apenas 22 votos.  Como nenhum dos candidatos a este posto obteve os 220 votos necessários para eleger o presidente do parlamento, foi preciso celebrar uma segunda ronda de votações. Nessa segunda votação, Barham Salih baixou a sua votação para 165 votos e Fuad Husein subiu para 89 votos. Sarwa Abdul Wahid obteve 18 votos na segunda ronda.

É possível que o candidato presidencial do KYB, Barham Salih, vença esta eleição e possa ter influência na política interna da Administração Regional Curda do Iraque. O KDP poderá assim seguir uma política mais forte contra o KYB, já que obteve uma grande vitória nas eleições.

O resultado das eleições na Administração Regional Curda do Iraque vai afetar as relações entre a Turquia e esta região iraquiana, bem como a luta contra o terrorismo da Turquia. O governo da IKBY, que perdeu os ganhos que tinha obtido em Kirkuk devido à resposta decidida do governo central iraquiano, após o referendo de independência, quer remendar as relações com a Turquia. O KDP em particular quer reavivar o comércio com a Turquia. As sanções impostas pela Turquia contra os voos oriundos do Aeroporto Internacional de Suleymaniya, controlado pelo KYB, revela de forma aberta a postura da Turquia face ao KYB. Parece por isso que o possível êxito do KDP nas eleições, poderá ter um impacto positivo nas relações entre a Turquia e a Administração Regional Curda do Iraque.

As operações militares levadas a cabo pela Turquia no norte do Iraque, como parte da sua luta contra o terrorismo, tentam evitar a infiltração dos membros da organização terrorista separatista PKK na Turquia, através do norte do Iraque. A luta da Turquia contra o PKK no norte do Iraque, pode dar ainda mais força ao êxito do KDP nas eleições. Enquanto as relações entre o KYB e o PKK são relativamente melhores, o mesmo não se pode dizer das relações entre o PKK e o KDP, que não são boas. Enquanto a Turquia reforça as suas ligações com a Administração Regional Curda do Iraque, é possível que peça ao KDP para que dê passos concretos face à ameaça do PKK contra a Turquia.

O facto de ainda não ter sido possível formar um governo central no Iraque, apesar de já terem passado meses desde as eleições no país, representa um importante problema para o Iraque e também para a Turquia. Caso seja possível formar de imediato um governo na Administração Regional Curda do Iraque, é possível que essa situação tenha um impacto positivo para a segurança da Turquia. E quando se formar finalmente um governo central no Iraque, a luta contra os vários problemas do país poderá ser levada a cabo de forma mais eficaz.

Esta foi a opinião sobre este assunto de Can Acun, investigador da Fundação de Estudos Políticos, Económicos e Sociais (SETA)



Notícias relacionadas