O impacto da 6ª Cimeira do Conselho de Cooperação na política externa da Turquia

O Conselho Turco foi criado em 2 009 como uma organização internacional para desenvolver a cooperação detalhada entre os países de língua turca.

O impacto da 6ª Cimeira do Conselho de Cooperação na política externa da Turquia

Há umas semanas atrás, realizou-se a 6ª Cimeira do Conselho de Cooperação dos Países de Língua Turca. No programa desta semana, vamos analisar os resultados desta cimeira e o seu impacto na política externa turca.

A análise do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin.

No dia 3 de setembro de 2 018, na cidade de Cholpon Ata no Quirguistão, teve lugar a 6ª Cimeira do Conselho de Cooperação dos Países de Língua Turca, um orgão que faz parte do Conselho Turco. O tema principal desta cimeira foi “A Juventude e os Desportos Nacionais”. A cimeira foi liderada por Sooronbay Jeenbekov, o presidente do país anfitrião. Nesta cimeira participaram o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, o presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev e o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev. Na cimeira participaram também o presidente do Uzbequistão, Shavkat Mirzyioyev e o primeiro ministro húngaro Viktor Orban, que participaram no encontro na qualidade de convidados de honra.

Não se pode analisar de forma absoluta como se irá concretizar esta mudança e desenvolvimento no sistema internacional, que entrou num processo de mudança que ainda não se pode definir desde o fim do período da Guerra Fria. Mas é uma realidade que algumas tendências terão importância no futuro próximo.

Os movimentos de capital, as atividades comerciais e os desenvolvimentos tecnológicos alargam-se cada vez mais e assumem um caráter supranacional. Este alargamento e a intensificação inerente, traz consigo ligações múltiplas aos grupos de interesse internacionais e a indivíduos de várias nacionalidades ligados a esses grupos de interesse. Neste sentido, a experiência do Conselho Turco é um caso que deve ser abordado pela importância das suas várias dimensões.

O Conselho Turco foi criado em 2 009 como uma organização internacional para desenvolver a cooperação detalhada entre os países de língua turca. Os países membros do Conselho Turco são o Azerbaijão, o Cazaquistão, o Quirguistão e a Turquia. O Turquemenistão, devido ao seu estatuto de “país permanentemente neutro” e o Uzbequistão devido a algumas abstenções políticas no passado, não fazem parte deste conselho. Mas o presidente do Uzbequistão, Shavkat Mirziyoyev mostra um grande interesse pelo Conselho Turco. Por este motivo, espero que dentro de pouco tempo o Uzbequistão possa também ser membro do Conselho Turco.

A intenção do Uzbequistão de ser membro do Conselho Turco é um passo de caráter importante tanto para o desenvolvimento da integração do Uzbequistão com o mundo turco, como para o alargamento do Conselho Turco.

O Uzbequistão, que tenta sobretudo fortalecer as suas relações e colaboração com o Cazaquistão, Quirguistão, Turquemenistão e Turquia, dá indicações no sentido de se juntar ao Conselho Turco dentro de pouco tempo. A concessão do estatuto de país observador dado à Hungria, um país membro da UE, ajudará a aumentar a importância regional e global do Conselho Turco.

Durante a última cimeira do Conselho Turco, foi também tomada a decisão de apoiar o desejo dos países membros, no sentido do Conselho Turco obter o estatuto de observador nas Nações Unidas. Quando se tem em conta esta decisão no processo que se avizinha, é preciso dar importância aos prováveis trabalhos de adesão e observação do Conselho Turco. Por este motivo, esta 6ª cimeira teve uma grande importância para o alargamento do Conselho Turco e para a unificação do mundo turco.

Esta cimeira marcou também a mudança da presidência rotativa do Conselho Turco do Cazaquistão para o Quirquistão, que continuará os trabalhos desenvolvidos entre 2 014 e 2 018. Foram ainda tomadas novas decisões para alcançar êxitos importantes no futuro. No final da cimeira, as partes assinaram a Declaração de Cholpon Ata em que é ratificado o estatuto de observador do Conselho Turco. Foi também assumido o “O Papel de Conceito de Integração dos Países de Língua Turca”, decidiu-se o fortalecimento das tentativas para obter o estatuto de observador do Conselho Turco no seio da ONU e redigiu-se um comunicado comum orientado a desenvolver a colaboração no campo da juventude e nas áreas nacionais. Nesta cimeira foi também tomada uma decisão comumpelos presidentes dos países presentes, no sentido nomear Baghdad Amreyev – o embaixador da República Islâmica do Irão no Cazaquistão - para a Secretaria Geral do Conselho. Para vice-secretário geral foi nomeado Omer Kocaman e Darkhan Kydyraly foi nomeado presidente da Academia Internacional Turca.

Durante a cimeira, a proposta do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, para que sejam usadas as moedas nacionais dos países no comércio mútuo entre os estados membros, teve grande recetividade. Esta proposta surge num momento em que aumentou a competitividade geopolítica regional e global, e em que aumentaram muito as guerras comerciais e as sanções económicas, uma situação importante para todos os países membros. Nos últimos anos, a influência da baixa dos preços do petróleo e a situação económica global, fizeram com que as moedas do Azerbaijão, Cazaquistão, Quirguistão e Uzbequistão tivessem perdido muito valor face ao dolar.

Na cimeira, o projeto dos “100 Novos Nomes do Mundo Turco” e “Os Lugares Sagrados do Mundo Turco” terão uma grande importância tanto no campo do fortalecimento das ligações históricas, como na unidade dos países turcos e na forma como se apresenta ao mundo a cultura comum dos povos turcos. Estes projetos fazem parte do projeto de “Pacote de Viagens Comuns da Rota da Seda Moderna”, que será capaz de assegurar um grande apoio ao setor do turismo de todos os países membros.

Durante a 6ª cimeira foi também importante a aceitação do “Relatório Concetual da Integração dos Países de Lígua Turca”, que será apresentado na 7ª cimeira do Conselho Turco. E desta forma poderão ser dados passos sérios ao nível da colaboração no seio do mundo turco, como na cooperação ao nível do Conselho Turco. Mas para aumentar a influência regional e global do Conselho Turco, é preciso determinar as decisões e planos estratégicos para o curto, médio e longo prazo, tanto dos países membros como da própria organização.

Nesta cimeira foram tomadas muitas decisões importantes orientadas ao desenvolvimento da colaboração política, comercial, económica, social e cultural, entre os países de língua turca. Tendo em conta as decisões tomadas, podemos dizer que esta foi uma cimeira histórica para o futuro do Conselho Turco.

O Conselho Turco tem potencial para se alargar e fazer parte da estrutura da UE, tanto no aspeto do seu potencial económico como energético, ao tornar-se uma instituição responsável pela coordenação de muitas organizações de cultura e cooperação entre governos. Mas devido à força económica e política atual dos países membros e à conjuntura global, esta situação não deve ser vista como um objetivo de longo prazo.

Esta foi a opinião sobre este assunto do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin



Notícias relacionadas