O Êxito da Turquia na Produção de Veículos Aéreos Não Tripulados

A Turquia, por um lado, produz equipamentos estratégicos que tem uma importância crítica no campo da defesa, por outro lado, avança com passos seguros para o futuro, produzindo os produtos de defesa.

O Êxito da Turquia na Produção de Veículos Aéreos Não Tripulados

Projetos de Defesa Nacional – Capítulo 06/2018

Os veículos aéreos não tripulados (VANTs) nacionais e originais produzidos pela indústria de defesa e os veículos aéreos não tripulados (VANTs) armados asseguraram que a Turquia entrasse na lista dos países mais conhecidos do mundo.

Análise de Tarkan Zengin, diretor de Formação do sindicato Türk Harb-İş

A Turquia, por um lado, produz produtos estratégicos que são criticamente importantes no campo da defesa e, por outro lado, avança com passos seguros rumo ao futuro, produzindo os produtos de defesa que nos farão avançar na competição global com oportunidades locais e nacionais. A Turquia, com o que faz nesse campo, além de manter políticas independentes, com os produtos que vende garante lucros importantes para a economia. A história da produção de veículos não tripulados (drones) pela Turquia é também a história de salvar-se da dependência e garantir novos lucros para a economia. Os primeiros veículos não tripulados (VANT) que entraram no inventário da Turquia na década de 1990 foram a produção de Heron, com produção de Israel e os modelos GNAT, com produção dos EUA. Os drones Predator e Repaer desenvolveram versões do GNAT; Nos anos 2000, o Congresso dos EUA não permitiu a venda para a Turquia. Diante disso, a Turquia entrou no processo de produção de aeronaves domésticas não tripuladas. Hoje, na Turquia, os veículos aéreos não tripulados nacionais Anka e Bayraktar são utilizados.

Os VANTs e VANTs armados produzidos hoje na indústria de defesa asseguraram que a Turquia entrasse na lista dos países mais conhecidos do mundo. A Turquia atualmente tem uma força humana ativa que trabalha no campo da tecnologia nacional. Nós nos tornamos testemunhas do que nossos jovens podem fazer quando recebem a oportunidade. A defesa é um setor que pode ser alcançado com o trabalho contínuo colocando metas a longo prazo. Hoje, o sucesso que alcançamos nos últimos dez anos dos VANTs e os VANTs armados é o resultado de seguir objetivos estratégicos a longo prazo.

Selçuk Bayraktar, do Grupo Baykar, que assinou importantes trabalhos na produção de VANTs (veículos aéreos não tripulados) e veículos aéreos não tripulados armados, conta a aventura dos VANTs. O conto do VANT da Turquia começou com os mini VANTs. Desde o VANT mini junto com nossa equipe e soldados sempre trabalhamos nas áreas de base e nos lugares que voaram aviões. O mini VANT tinha a característica de fazer um mapa unindo as imagens no instante que se via. Nenhum VANT no mundo tinha essa característica. Nosso VANT armado tem recursos que nenhum VANT tem no mundo. Algumas características foram adquiridas após as longas experiências e retroalimentação na Operação de Afrin. No ano passado, especialmente junto com a Operação Escudo de Eufrates, nossos VANTs enfrentaram condições muito diferentes ".

BAYRAKTAR VANT MINI E BAYRAKTAR VANT MINI TÁTICO

O grupo Baykar produziu o VANT mini, o primeiro sistema VANT nacional apresentado ao serviço das Forças Armadas Turcas em 2007. Isso explica as características de seus produtos, o grupo que mais tarde desenvolveu os VANTs táticos. O sistema Mini VANT da Bayraktar é o primeiro mini-sistema e robô de veículo armado da Turquia com seus componentes estruturais e eletrônicos originais. Até o momento,  realizou mais de 100.000 voos operacionais.

O sistema Tático VANT desenvolvido adaptado ao conceito de VANT da classe de médio e longo alcance possui as características de controle de voo automático nacional e original (Táxi, decolagem, pouso e parque). A arquitetura do sistema de controle de voo com três práticas de sensoriamento remoto e navegação remotas e suplementares no ranking mundial é o veículo de reconhecimento e vigilância mais desenvolvido tecnologicamente. Os testes de voo em setembro-outubro de 2009 foram realizados com sucesso no seio da delegação oficial.

FORAM UTILIZADOS DE FORMA MUITO EFICIENTE EM OPERAÇÕES MILITARES

Os VANTs e os VANT armados tiveram um apoio muito importante no sucesso das operações antiterroristas mantidas pela Turquia, tanto em casa como no exterior. Os VANTs TBT Bayraktar foram utilizados em operações terroristas a partir de 2015. Os VANTs TB2 têm a característica de capturar imagens muito sensíveis, sem que sua voz seja ouvida, sem se mostrarem e a uma altitude muito alta. Acima de tudo, assegurou um apoio efetivo de vigilância, reconhecimento e disparos eficazes nas operações Escudo de Eufrates e Ramo de Oliveira. O Bayraktar TB2 VANT até hoje é utilizado na identificação e inativação de vários terroristas. Ameaças em frente às tropas avançando durante a Operação Escudo do Eufrates e muitas cavernas e túneis usados como abrigos terroristas foram explorados pelo VANT. Muitas ameaças e determinados terroristas foram inativados pelos VANTs armados.

Também são produzidas novas tecnologias que aumentarão a eficácia dos VANTs e VANTs armados. O grupo Baykar e seus apoiadores desenvolveram o KUZGUN, a computação móvel de transmissão ao vivo. Pela primeira vez, foi utilizado na Operação de Disparo Combinado Efeso 2018. O KUZGUN garante a possibilidade de ver as imagens de transmissão ao vivo que chegam do VANT através de dispositivos móveis. As imagens dos VANTs armados e VANT vistos pelas tropas militares na situação atual, com a prática KUZGUN, podem ser carregadas em dispositivos móveis pelas tropas que cumprem o serviço ativo na área. Assim, fornecer imagens simultâneas aos responsáveis pela segurança na área obtém vantagens importantes na luta contra o terrorismo. A Turquia que está entre os países mais reconhecidos do mundo na tecnologia dos VANTs, neste campo possui seu novo objetivo que é o projeto de jato não tripulado. A Turquia, que assinou importantes sucessos com os VANTs, tem potencial para realizar o seu novo projeto.

Esta foi análise de Tarkan Zengin, diretor de Formação do sindicato Türk Harb-İş



Notícias relacionadas