A Procura de uma Direção para a Crise Global e a Onda das Guerras Comerciais

A Turquia neste período de alta tensão na economia internacional também se classifica como um dos países sujeitos às sanções econômicas por parte dos Estados Unidos.

A Procura de uma Direção para a Crise Global e a Onda das Guerras Comerciais

Análise do Prof. Dr. Erdal Tanas KARAGÖL do Departamento de Economia da Faculdade de Ciências Políticas da Universidade Yildirim Beyazit.

A economia global está passando por um período bastante movimentado à sombra das guerras comerciais e das sanções dos EUA. Observamos que a tensão atual no comércio global e a estratégia de usar o poder econômico dos EUA sobre o dólar como ferramenta política continuam. Essa atitude dos EUA mostra que as reações dos países expostos às sanções enquanto buscam uma hegemonia superior são tais que os atores da economia global estão prontos para desenvolver cooperação e alianças estratégicas contra a hegemonia dos EUA.

Primeiramente, uma das questões mais importantes consiste em:  Como gerir esse processo de atores da comunidade internacional, entre eles a Turquia?

A combinação de incertezas globais com tensões comerciais é um grande obstáculo tanto para a direção de ambos os países quanto para os investidores internacionais.

A Turquia neste período de alta tensão na economia internacional também se classifica como um dos países sujeitos às sanções econômicas por parte dos Estados Unidos.

A decisão de dobrar os impostos aduaneiros sobre o aço e o alumínio importado dos Estados Unidos pela Turquia indica claramente uma onda de guerra comercial que pretende se espalhar para a Turquia.

Por outro lado, o aumento da taxa do dólar experimentada em um curto período de tempo e a ausência de qualquer explicação, neste caso, em termos de indicadores econômicos, sugerem que os Estados Unidos querem travar uma guerra econômica contra a Turquia no campo das finanças.

Evidentemente, a Turquia numa posição cada vez mais estratégica ante a todas essas sanções, bem como os fortes indicadores macroeconômicos passa pelo caminho do desenvolvimento, da cooperação e do diálogo na arena internacional nesse processo, aumentando seus esforços para reduzir o máximo possível os danos à sua economia.

Vale a pena notar que medidas importantes foram tomadas recentemente para aprofundar as relações entre os dois países levando em consideração a Rússia, um dos atores importantes da região. Atualmente, a Rússia está também em profunda parceria com a Turquia como um país sujeito a sanções dos EUA.

Hoje em dia, a agenda da economia russa também inclui movimentos para eliminar os efeitos das sanções sobre a economia e não depreciar o rublo russo. Em outras palavras, os dois países estão buscando soluções para os problemas criados pelo fator norte-americano na economia global.

De fato, cada passo no campo do comércio e finanças, tem um papel muito importante nas relações bilaterais nessa conjuntura, tem uma importância crítica. Portanto, no próximo período, há necessidade de ações construtivas e sustentáveis, a fim de proporcionar parcerias no campo das finanças, bem como melhorar o volume de comércio.

Da mesma forma, podemos dizer que o Irã, outro país onde as sanções dos EUA estão sendo implementadas, também está sob bloqueio econômico. Após a retirada dos EUA do acordo nuclear de não-negociação com o Irã, os outros lados do acordo esperaram que a mesma atitude fosse exibida, entretanto, não viram a mesma atitude. Nesse contexto, observou-se que, embora a reação  política dos países europeus não tenha sido tomada, o setor privado se retirou do mercado iraniano.

 

Em última análise, essas sanções provavelmente também atingirão a Europa. A Turquia e todos os problemas que podem ocorrer mesmo em relações comerciais estreitas com os países que têm uma estrutura integrada com a economia europeia como a Rússia não será possível bloquear as perturbações da economia para que não cheguem a economia europeia.

Portanto, é bastante razoável ter contatos próximos com os países europeus no próximo período.

Finalmente,a cúpula que acontecerá entre a Rússia, o Irã e a Turquia, em Teerã no dia 07 de setembro, terá em sua agenda conversações sobre as guerras comerciais, as sanções econômicas e a crise Síria no processo de Astana.

As estratégias que esses três atores expostos às sanções irão desenvolver talvez sejam a porta de saída para novas pesquisas e formas para solucionar os problemas na economia.

Esta foi a análise do Prof. Dr. Erdal Tanas KARAGÖL do Departamento de Economia da Faculdade de Ciências Políticas da Universidade Yildirim Beyazit.



Notícias relacionadas