Ozil: “Sou alemão quando ganhamos e um imigrante quando perdemos”

Na Alemanha, um dos principais países da União Europeia (UE), verifica-se atualmente um processo semelhante ao que levou no passado à emergência do Nacional Socialismo. A análise de Can Acun, investigador da Fundação SETA.

Ozil: “Sou alemão quando ganhamos e um imigrante quando perdemos”

O racismo e a islamofobia crescem cada vez mais a cada dia que passa na Europa. Na Alemanha, um dos principais países da União Europeia (UE), verifica-se atualmente um processo semelhante ao que levou no passado à emergência do Nacional Socialismo. A saída da seleção nacional da Alemanha, do jogador alemão de origem turca Mesut Ozil, revela uma normalização do racismo e da islamofobia na Alemanha.

A análise sobre o crescente racismo e islamofobia na Alemanha de Can Acun, investigador da Fundação de Estudos Políticos, Económicos e Sociais (SETA).

A foto de Mesut Ozil ao lado do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, durante a visita do presidente turco ao Reino Unido, foi transformada numa grande crise pelos meios de comunicação social, pelos políticos e pela sociedade alemã, antes do Mundial de Futebol Rússia 2 018. Ozil foi alvo de insultos racistas por causa da foto que tirou com Erdogan, com quem já se tinha encontrado várias vezes desde 2 010. A estrela da seleção nacional da Alemanha foi alvo de ataques, insultos e ameaças, por parte daqueles que se lhe opunham.

Apesar desta situação, Ozil não pediu desculpas pela foto que tirou ao lado de Erdogan, apesar da exigência nesse sentido feita por Reinhard Grindel, o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB).

O facto da imprensa alemã ter associado a fotografia de Ozil à eliminação da seleção alemã no Mundial Rússia 2 018, e do presidente da DFB ter responsabilizado Ozil por essa situação, foi a gota de água que fez transbordar o copo.

Na realidade, e já antes da foto ao lado de Erdogan, Ozil também tinha sido alvo de ataques e insultos islamofóbicos, por causa da sua peregrinação de Umrah.

Ao fim de algum tempo, Ozil quebrou o seu silêncio e emitiu um comunicado composto por 3 partes. Na realidade, este comunicado publicado em inglês na sua conta de Twitter, revela uma grande coragem por parte de Ozil e pôs à vista de todos o racismo e a islamofobia na Alemanha: “sou alemão quando ganhamos e um imigrante quando perdemos”.

Mesut Ozil, com o seu comunicado, acabou na verdade por se transformar num novo Mohamed Ali. Ozil teceu duras críticas contra a Alemanha e contra a DFB em particular, e passou a ser o porta voz da minoria turca e muçulmana que vive na Alemanha.

No seu comunicado, Ozil sublinhou o racismo e os duplos critérios da Alemanha. O futebolista disse também que o seu coração tanto bate pela Turquia como pela Alemanha.

Em defesa da foto de Ozil ao lado do presidente Recep Tayyip Erdogan, o futebolista deu uma explicação clara de que foi alvo de ataques racistas, apesar dos êxitos que conseguiu para a Alemanha. E na verdade, o pensamento de Ozil representa também os pensamentos e sentimentos dos turcos que vivem na Alemanha. Depois desta situação, os cidadãos de origem turca que vivem na Alemanha felicitaram Mesut Ozil como um herói.

Apesar do comunicado de Ozil ter sido uma voz para os turcos e muçulmanos na Alemanha, ao expressar os seus pensamentos e sentimentos, porque é que teve que ser um futebolista e não um deputado a representar os pensamentos e sentimentos da minoria turca e muçulmana?

O facto dos deputados no parlamento alemão nascidos na Turquia e dos partidos políticos na Alemanha não representarem as minorias turca e muçulmana, e ainda o facto de não estarem preocupados com os seus problemas, é um grande problema para a Alemanha. Por um lado, o racismo e a islamofobia aumentam de dia para dia na Alemanha. E por outro lado, não há deputados que representem os turcos e os muçulmanos na Alemanha.

Devido a esta situação contrastante na Alemanha, a Turquia precisa de adotar uma política mais eficaz e ativa na Alemanha, para proteger os direitos dos turcos e muçulmanos que vivem nesse país, e também para lhes dar mais confiança.

O facto da Turquia fazer sentir a sua presença na sociedade alemã e lutar pelos turcos e muçulmanos na Alemanha, vai dar ânimo aos turcos e muçulmanos no país, e fará com que surjam novos Mesut Ozil, que mostrem sem medo a real cara da sociedade.

O fracasso da Turquia em implementar uma política eficaz e ativa na Alemanha, fará com que os turcos e muçulmanos nesse país se enfrentem cada vez mais com o aumento do racismo e da xenofobia na sociedade alemã.

Esta foi a opinião sobre este assunto de Can Acun, investigador da Fundação de Estudos Políticos, Económicos e Sociais (SETA)


Etiquetas: Ozil , Alemanha , xenofobia , racismo

Notícias relacionadas