A crise do Qatar e as relações entre a Turquia e o Qatar

A crise do Qatar e as relações entre a Turquia e o Qatar. A análise do Dr Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Ataturk.

A crise do Qatar e as relações entre a Turquia e o Qatar

Já passou um ano desde a crise do Qatar, que ganhou uma dimensão internacional com o isolamento de Doha através de um bloqueio naval, aéreo e por terra. No dia 5 de junho do ano passado, muitos países árabes cortaram as suas relações diplomáticas com o Qatar, após o hacking da agência de notícias do Qatar, na noite de 23 para 24 de maio de 2 017.

No programa desta semana, vamos analisar as relações entre a Turquia e o Qatar na perspetiva do Dr. Cemil Dogaç Ipek.

Há um ano, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e até o Egito, juntamente com vários outros países árabes, cortaram as suas relações diplomáticas com o Qatar, alegando várias justificações. Esta situação deu origem à maior crise diplomática dos últimos tempos no Golfo Pérsico. A rotura total das relações diplomáticas, aconteceu numa altura em que os Estados Unidos aumentaram a pressão para ser revista a relação do Qatar com a administração Trump.

A Arábia Saudita e os países seus aliados, acusaram o Qatar de apoiar o terrorismo. Mas nenhum desses países conseguiu provar estas acusações.

O Qatar é um país situado no Golfo Pérsico, caracterizado pelo seu sucesso político e económico na região. O Qatar tem as terceiras maiores reservas de gás natural do mundo. O país tem também universidades importantes, instituições de reflexão e pensamento, e o gigante da imprensa internacional Al Jazeera. No Qatar há também bases militares e soldados estrangeiros.

As relações entre o Qatar e a Turquia estão a um bom nível. Sabemos dos passos dados pela Turquia no sentido da colaboração entre os dois países ao nível da energia e das relações militares, que incluem a criação de uma base militar turca no Qatar, uma situação que incomoda muitos países do Golfo Pérsico.

O Qatar tem uma imagem muito positiva no seio da opinião pública árabe, por causa do apoio que deu aos movimentos democráticos na região. É um país com influência tanto ao nível regional como global, com a sua força suave aplicada com sucesso. O Qatar, através do seu grupo mediático Al Jazeera, faz emissões em inglês e em árabe que ajudam a formar a opinião pública a nível regional e global.

O Qatar chama a atenção pela suas políticas mais liberais, quando comparando com outros governos do Golfo Pérsico. Durante o processo da Primavera Árabe, o país apoiou em massa as oposições e os atores revolucionários, e isso deu origem a reações por parte das monarquias do Golfo Pérsico contra o Qatar. Os principais motivos que fazem do Qatar um alvo para a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Estados Unidos, são as preferências políticas da administração de Doha e a sua influência na política externa. Sabemos que a Turquia e o Qatar apoiam a oposição moderada contra Assad na Síria. Foram a Turquia e o Qatar que conseguiram convencer os atores presentes na Síria a sentarem-se à mesa com a oposição, nos processos de Genebra e Astana.

O Qatar e a Turquia têm uma estreita colaboração na área da economia. O valor dos investimentos do Qatar na Turquia é na ordem dos 20 mil milhões de dólares. Quando começou a crise do Qatar, a Turquia tinha duas opções: ficar neutra ou ter um papel ativo forte. A Turquia preferiu a segunda opção, e optou por agir a favor do Qatar. A diplomacia turca iniciou contactos intensos a favor do Qatar. A Turquia enviou também alimentos para o Qatar, furando o bloqueio imposto ao país e garantido o fornecimento de alimentos ao Qatar. E mais importante ainda, a Turquia fez aprovar no parlamento de Ancara o tratado que antes tinha sido assinado com o Qatar, para a colocação de soldados turcos no solo do país.

A manutenção por parte da Turquia de uma diplomacia equilibrada e reconciliadora face ao Qatar, foi uma escolha política pensada. Foi importante que o presidente Erdogan tenha sublinhado que a base turca no Qatar, tem como objetivo garantir a segurança e a estabilidade no Golfo Pérsico. O presidente turco chegou até a fazer uma declaração em que propôs ao rei Salman da Arábia Saudita, a criação de uma base militar semelhante na Arábia Saudita. Este foi mais um exemplo da abordagem construtiva da Turquia. Ancara, na primeira fase da crise e enquantou apoiou o Qatar, nunca se absteve de manter uma mensagem de paz e confirmou que é a força mais inteligente na região.

O Qatar é um ator importante da finança internacional. Com os seus investimentos internacionais nos últimos anos, o Qatar adiantou-se face a outros países do Golfo Pérsico como o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos.

O Qatar tem as terceiras maiores reservas mundiais de gás natural, e é o 13º maior produtor mundial de petróleo. Tudo isto traduz-se num grande desenvolvimento económico. O Qatar apoia este desenvolvimento interno do país, através da Fundação do Qatar que converte e unifica as formas trazidas pela globalização e modernismo, com a cultura do islão. Esta conversão posiciona o Qatar num patamar diferente dos outros países do Golfo Pérsico. O país, na questão das crenças, segue uma das linhas mais moderadas do Salafismo. O Qatar afasta-se das interpretações demasiado duras e desdenhosas, que normalmente encontramos na maioria dos comentários salafistas. Esta situação é outro elemento que aproxima o Qatar da Turquia, herdeira da tradição sufi do islão.

Os turcos assinaram em 1 913 um tratado em que aceitaram colocar soldados no Qatar. Mas esses soldados acabariam por sair em 1 915. Os turcos regressam agora ao Qatar, colaborando em várias áreas. Atualmente, a Turquia e o Qatar seguem uma política de equilíbrio bem sucedida, orientada para a estabilidade. Ambos os países seguem uma política externa ativa e independente, na qual colaboram. Estas duas forças no Médio Oriente, com o seu caráter de generosidade, papel mediador e investimentos, representam uma influência na região e ao nível global. Hoje em dia, o Qatar e a Turquia são duas forças importantes no Médio Oriente. Por este motivo, não podem sequer considerar a opção de ficar fora do processo de criação de uma nova ordem na região do Médio Oriente. E neste ponto, os valores e princípios comuns estão na base da aliança entre a Turquia e o Qatar.

Esta foi a opinião sobre este assunto do Dr Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Ataturk



Notícias relacionadas